terça-feira, 26 de junho de 2018

Assentados e agricultores familiares vendem mais de 177 mil espigas de milho em festival na Paraíba


Mais de 3.420 mãos de milho – o equivalente a mais de 177.840 espigas – vendidas. Este foi o resultado da terceira edição do Festival do Milho, realizado de 21 a 23 de junho na Central de Comercialização da Agricultura Familiar (Cecaf) João Pedro Teixeira, no bairro José Américo, em João Pessoa. Agricultores de pelo menos cinco assentamentos da reforma agrária da Paraíba comercializaram sua produção de milho no evento, que também contou com a participação de agricultores familiares de mais de 20 municípios paraibanos das regiões da Zona da Mata Sul, Zona da Mata Norte e Borborema. 

No ano passado, foram vendidas mais de 100 mil espigas de milho nos três dias de evento e, na primeira edição do Festival, em 2016, foram comercializadas durante o evento, que teve dois dias de duração, ao menos setecentas mãos de milho – o equivalente a 36,4 mil espigas.

No terceiro Festival do Milho da Cecaf, o preço da mão de milho, que corresponde a 50 espigas, variava entre R$ 20 e R$ 25. 

Além de milho no varejo e no atacado, os consumidores puderam comprar pratos típicos das festas juninas, como pamonha, canjica, bolos, doces e tapioca, e ainda aproveitar apresentações culturais, como o Grupo de Xaxado Mulheres de
Lampião, da Secretaria de Saúde de João Pessoa, sorteio de cestas de produtos da Cecaf e muito forró pé-de-serra. 

No primeiro dia do Festival do Milho, na quinta-feira (21), o espaço foi dividido com a tradicional Feira do Agricultor Familiar da Cecaf, que acontece todas as quintas-feiras e sábados, das 5h às 13h. 

Para a diretora do Setor de Agricultura Familiar da Secretaria de Desenvolvimento e Controle Urbano (Sedurb) da Prefeitura de João Pessoa e coordenadora da Cecaf, Rogeany Gonçalves, a terceira edição do festival foi um sucesso. “É uma alegria imensa vermos o sucesso do Festival. O grande volume de vendas mostra a força da agricultura familiar. Também mostra que a população de João Pessoa já conhece a qualidade, a variedade e os bons preços dos alimentos comercializados na Cecaf”, afirmou.


Qualidade e variedade

A funcionária pública Gláucia Cavalcante, 55 anos, soube do Festival do Milho através do rádio. Moradora de um bairro vizinho, o Cristo Redentor, ela já tinha ouvido falar muito sobre as feiras da Cecaf através de amigas, mas nunca havia ido. Agora, promete voltar sempre.

“Vou voltar com certeza porque vi que a variedade é grande e que os produtos são de qualidade e não são produzidos com agrotóxicos”, afirmou Dona Gláucia, que levou para casa batata-doce, coentro e várias espigas de milho. “Vou fazer canjica e assar milho na fogueira quanto eu chegar em casa”. 


Sem atravessadores

Para o agricultor Aldemir de Sousa Ferreira, 33 anos, do Assentamento Sede Velha do Abiaí, em Pitimbu, na região da Zona da Mata Sul da Paraíba, as duas feiras semanais promovidas regularmente pela Cecaf são ótimas oportunidades para os agricultores familiares e assentados da reforma agrária comercializarem suas produções diretamente ao consumidor, sem a intermediação de atravessadores. Este ano, o assentado participou pela primeira vez do Festival do Milho da Cecaf.
“Trouxe cem mãos de milho pra cá e acredito que vou vender tudo”, disse.

Segundo Aldemir Ferreira, antes de participar das feiras da Cecaf, há mais ou menos sete meses, a maior parte do feijão-verde, do mamão, do abacate, do coco e do milho que ele e a esposa, Miranda da Silva, produziam era vendida a atravessadores, que ficavam com a maior parte do lucro. “Agora está diferente. Nosso sustento está sendo todo daqui. Melhorou muito pra gente. Agora o lucro não fica na mão do atravessador”, afirmou Aldemir Ferreira.

José Hilton Ferreira do Nascimento, 47 anos, do Assentamento Apasa, também em Pitimbu, levou os dois filhos para ajudar a vender na Cecaf a produção de milho, macaxeira, inhame, batata-doce, banana, mamão, maracujá, limão, acerola, abacaxi e coco. “Sei que vamos vender tudo, inclusive as 400 mãos de milho que trouxemos”, garantiu o assentado. 


Realização

O evento é uma realização da Prefeitura de João Pessoa, através da Sedurb, em parceria com a Fundação Cultural de João Pessoa (Funjope), a Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres (SEPPM) e a Secretaria de Educação e Cultura (Sedec) e associações e cooperativas da agricultura familiar dos Territórios da Cidadania da Zona da Mata Sul e da Zona da Mata Norte.


A Cecaf

A Central é administrada pela Sedurb e está em funcionamento desde julho de 2015. Atualmente, comercializa a produção de 134 agricultores familiares e assentados de 28 municípios paraibanos: João Pessoa, Mamanguape, Jacaraú, Fagundes, Puxinanã, Lucena, Pitimbu, Pedras de Fogo, Areia, Bananeiras, Baía da Traição, Itapororoca, Natuba, Remígio, Lagoa Seca, Pilar, Cruz do Espírito Santo, Mari, Monteiro, Conde, Alhandra, Caaporã, Rio Tinto, Itabaiana, Bayeux, Santa Rita, Cabedelo e São Miguel de Taipu.

Assessoria 


← ANTERIOR PROXIMA → INICIO

0 Comments:

Postar um comentário

Editorial