segunda-feira, 25 de junho de 2018

Arábia Saudita finalmente permite que as mulheres dirijam


Finalmente chegou o dia. A partir deste domingo, a Arábia Saudita permite que as mulheres dirijam. Nove meses após o rei Salman suspender a anacrônica proibição com um decreto real, as sauditas sentarão ao volante. “Vou dirigir. A qualquer lugar. De forma aleatória. Quero saber como é a sensação de conduzir de forma legal”, responde exultante Hatoon al Fassi quando lhe perguntam sobre seus planos para este dia. No entanto, a detenção de várias ativistas que, como ela, lutaram para conseguir a mudança, mancha a iniciativa e levanta dúvidas sobre a profundidade da reforma promovida pelo filho e herdeiro do monarca, o príncipe Mohamed bin Salman (conhecido pelas iniciais MBS).
“Isso significa muito para nós. Vamos assumir as rédeas de nosso destino”, afirma Al Fassi, professora universitária e veterana ativista dos direitos da mulher, após trocar sua carteira de habilitação de um país vizinho pelo novo documento saudita. Outras se prepararam nas autoescolas (só para mulheres) que funcionam desde março.
A mudança vai muito além do simples fato de poder sentar ao volante. A proibição limitou a mobilidade das mulheres num país sem um transporte público digno desse nome (o metrô de Riad ainda não foi inaugurado) e dificultou sua entrada no mercado de trabalho, embora a preparação delas seja, em média, superior à dos homens. É um desperdício de talento que o Reino do Deserto não pode continuar se permitindo.
Foi o que reconheceu o príncipe Mohamed, a quem é atribuída a decisão. MBS promove um ambicioso programa de reformas para superar a dependência do petróleo, o que exige a modernização da sociedade e a redução da influência do clero (bastião das posturas mais conservadoras, mas também fonte de legitimidade da monarquia). Um dos objetivos de sua Visão 2030 é conseguir que, este ano, as mulheres sejam 30% da força de trabalho (hoje são 10%). Daí a necessidade de acabar com a proibição de dirigir.
Os analistas já calculam os benefícios. Esperam que a medida abra o mercado de trabalho para as mulheres. Algumas já se inscreveram nos programas de plataformas de transporte como Uber e Careem, em busca de emprego. Logo de cara, a eventual redução do número de motoristas particulares terá um impacto positivo no orçamento de muitas famílias. Os analistas também preveem que a medida estimule a venda de carros e o setor de seguros.
“Mal posso esperar pelo momento. Sinto que vou chorar. Estou convencida de que será algo muito emotivo”, diz N., a saudita que há três anos conduziu esta correspondente pelas ruas de Riad. Tirou carteira nos Estados Unidos, quando estudava Medicina. No entanto, em seu próprio país, essa prestigiosa profissional em cujas mãos muitos sauditas confiam sua saúde e até mesmo suas vidas, era proibida de dirigir até este domingo, e ainda continua sob a tutela formal de seu esposo. “Não tem sentido”, constata. O fato de que seja mantido o ominoso sistema de tutela gera dúvidas sobre a profundidade da mudança. Para muitas sauditas, pouco adianta terem direito de dirigir se continuarem precisando da autorização de um homem (pai, marido, irmão ou filho) para ir à universidade, renovar o passaporte e viajar ao exterior.
Elas veem com preocupação a recente prisão de 17 ativistas (incluindo três homens) que há anos fazem campanha pelo direito de dirigir e pela abolição da tutela. Nove mulheres, entre elas as veteranas Aziza al Yousef, Iman al Nafyan e Loujain al-Hathloul, continuam presas acusadas de crimes muito graves, incluindo o de “traição”, que, além de serem punidos com penas elevadas, buscam abalar sua reputação, segundo várias ONGs internacionais. Seu caso preocupa o Escritório do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos.
As autoridades do reino parecem temer que o ativismo das mulheres se estenda a outras reclamações. Desde o início, deixaram claro que a suspensão da proibição de dirigir era uma concessão real, não um direito conquistado. Não houve nenhum reconhecimento às numerosas sauditas que durante três décadas fizeram campanha para consegui-la. Ao contrário: pediram-lhes silêncio.
“Cada passo nos lembra sobre a necessidade de passar ao nível seguinte. Ainda há um longo caminho pela frente”, admite Al Fassi, embora com esperança.

O PREÇO DE NÃO DIRIGIR

Para poder ir todo dia ao trabalho, as sauditas precisam de um motorista. Isso significa gastar entre 800 e 3.000 riais sauditas (entre 828 e 2.185 reais) por mês, dependendo da cidade, dos horários e do uso (ou não) de veículos compartilhados. Para muitas delas, o valor corresponde a metade do salário.
Segundo cifras oficiais, a Arábia Saudita, com 33 milhões de habitantes – um terço deles imigrantes –, gasta 25 bilhões de riais sauditas (cerca de 26 bilhões de reais) por ano nos salários de 1,38 milhões de motoristas particulares, a maioria estrangeiros contratados para facilitar a mobilidade das mulheres.
El País 


← ANTERIOR PROXIMA → INICIO

0 Comments:

Postar um comentário

Editorial