domingo, 6 de maio de 2018

Policial afirma que entregou dinheiro em escritório de amigo de Temer duas vezes


Policial afirma que entregou dinheiro em escritório de amigo de Temer duas vezes
Em depoimento ainda mantido em sigilo, prestado em 28 de março à Polícia Federal, o policial militar Abel de Queiroz disse ter ido ao menos duas vezes ao escritório do advogado José Yunes, amigo próximo do presidente Michel Temer, para fazer entregas de dinheiro entre 2013 e 2015.
O policial trabalhava como motorista da Transnacional, firma de transporte de valores contratada por empresas alvo da Lava Jato, entre elas a Odebrecht. Falou como testemunha no inquérito que apura pagamentos, pela empreiteira, de R$ 10 milhões a campanhas do MDB, supostamente acertados com Temer no Palácio do Jaburu, em 2014. 
Os investigadores estiveram no escritório de Yunes com Queiroz, que reconheceu o local das entregas, no bairro Jardim Europa, em São Paulo. Durante a oitiva, cuja transcrição foi obtida pela Folha, ele disse que, “com absoluta certeza, lá esteve em pelo menos duas oportunidades”.
Queiroz explicou que coube a ele dirigir o veículo blindado na Transnacional e que, em cada uma das ocasiões, outros agentes, que identificou como Oliveira e Alves, levaram os valores para dentro do imóvel. 
O depoimento corrobora acusação apresentada em 21 de março pelo MPF (Ministério Público Federal) contra Yunes e outros aliados de Temer, segundo a qual o advogado atuou mais de uma vez como arrecadador de recursos ilícitos para o presidente. 
A denúncia foi aceita pela Justiça Federal em Brasília, que abriu ação penal contra o advogado por organização criminosa. Outro amigo do presidente, o coronel João Baptista Lima Filho, é acusado pelo mesmo crime no caso. 
Yunes admite ter se envolvido em uma única operação, na qual teria atuado como “mula involuntária” do ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, ao receber um pacote cuja origem, o destino e o conteúdo, segundo sua versão, desconhecia na época.
O corretor de valores Lúcio Bolonha Funaro, delator da Lava Jato que atualmente cumpre prisão domiciliar, disse em seus depoimentos que foi buscar R$ 1 milhão no escritório do amigo de Temer em setembro de 2014, a pedido do ex-ministro Geddel Vieira Lima, mandando entregar a quantia a ele, em seguida, em Salvador. Ele sustenta que Yunes sabia se tratar de dinheiro. 
As planilhas do setor de operações estruturadas, o departamento de propinas da Odebrecht, registram a remessa desse valor ao escritório de Yunes em 4 de setembro daquele ano. O montante seria parte de suposto acerto feito por Temer para o repasse de recursos de caixa dois a campanhas do MDB. O presidente nega ter participado de conversas sobre caixa dois. 
Queiroz trabalhou por dois anos na Transnacional, até meados de 2015. No depoimento, relatou que o valor máximo das remessas era de R$ 300 mil, limite da cobertura do seguro das operações. No entanto, em 2014, ano de eleições, o teto teria aumentado, conforme contaram outros funcionários da empresa à PF.
O policial disse ter estado em datas distintas no escritório de Yunes, mas não soube precisá-las, assim como quais valores teriam sido entregues. Disse ainda que não tinha contato com os envolvidos nos pagamentos e que não se lembrava se pessoas indicadas para receber o dinheiro eram Yunes ou sua secretária, Shirley, “pois era o encarregado [de levar a quantia até o imóvel] que tinha mais contato com esses dados”.
A Transnacional aparece em investigações distintas da Lava Jato como responsável por entregas de propina. Outros dois motoristas da empresa afirmaram em depoimentos, por exemplo, que participaram de operações para repassar recursos da Odebrecht a um intermediário do presidente nacional do PP, senador Ciro Nogueira (PI), em São Paulo. Ele nega.
Além do depoimento do motorista, novas informações foram apresentadas por Funaro na investigação em março. Em carta anexada ao inquérito, ele diz ter telefonado para Yunes para marcar de “retirar o valor no escritório dele”. Relata ainda que o advogado o levou para a garagem do imóvel e entregou uma caixa com os recursos para Geddel. 
Funaro pleiteia, na carta, uma acareação com Yunes e o ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht Cláudio Mello Filho, que delatou o suposto acerto no Jaburu.
Outro lado
O advogado de Yunes, José Luís de Oliveira Lima, afirmou em nota que seu cliente, “com mais de 50 anos de advocacia, jamais se prestou a desempenhar o papel de intermediário”.
“Quanto às afirmações de Lúcio Funaro, o seu histórico demonstra que sua fala não merece qualquer credibilidade”, acrescentou.
O advogado de Temer, Brian Alves Prado, afirmou que a defesa do presidente não teve acesso ao depoimento e que, por isso, não poderá se pronunciar sobre o assunto.
O inquérito sobre repasses da Odebrecht ao MDB acertados no Jaburu investiga se o dinheiro seria seria contrapartida ao atendimento dos interesses da empreiteira pela Secretaria da Aviação Civil —pasta ocupada por Padilha e Moreira Franco entre 2013 e 2015. Os dois, além de Temer, são investigados.
Em fevereiro do ano passado, Temer afirmou em nota que pediu “auxílio formal e oficial” à Odebrecht na campanha de 2014, mas ressaltou que não autorizou ou solicitou que “nada fosse fosse feito sem amparo nas regras da Lei Eleitoral”.
A Folha não localizou representantes da Transnacional.

Letícia Casado/Fábio Fabrini


← ANTERIOR PROXIMA → INICIO

0 Comments:

Postar um comentário

Editorial