quarta-feira, 16 de maio de 2018

Copiloto é 'parcialmente sugado' por janela de avião

O copiloto do avião que precisou fazer um pouso de emergência foi "parcialmente sugado" para fora da aeronave depois que o vidro direito do cockpit quebrou, segundo relatos do capitão do voo à mídia chinesa. O subcomandante da Sichuan Airlines, que usava cinto de segurança no momento do incidente, foi puxado de volta para a cabine pela equipe, a nove quilômetros de altitude.
O capitão Liu Chuanjian foi aclamado como herói nas redes sociais por ter pousado manualmente o avião, de modelo Airbus A319. Ele explicou ao jornal "Chengdu Economic Daily" que o voo havia acabado de atingir a altitude de cruzeiro quando um som "ensurdecedor" tomou o cockpit. A repentina despressurização e queda de temperatura se seguiram ao estrondo. Chuanjian olhou para frente e viu um buraco no para-brisa.
O voo saiu de Chongqing nesta segunda-feira, com destino a Lhasa, no Tibet. A tripulação precisou adiantar a aterrissagem para a cidade de Chengdu, em função da emergência.
"Não houve sinal de alerta. De repente, o pára-brisa se quebrou e fez um forte barulho. O que eu vi em seguida foi meu copiloto sugado parcialmente para fora da janela (...) Tudo no cockpit estava flutuando. A maioria dos equipamentos não funcionava, e eu não conseguia ouvir o rádio. O avião estava tremendo tanto que eu não conseguia ler os medidores", recordou o capitão ao diário chinês.
Segundo a Administração de Avião Civil da China, que investiga o acidente, o copiloto Xu Ruichen teve arranhões na face e quebrou o pulso. Outro membro da tripulação ficou ferido no procedimento de pouso. Nenhum dos 119 passageiros se machucou, mas 29 deles foram encaminhados a exame médico.
Em abril, uma passageira da Southwest Airlines foi parcialmente sugada depois que a janela se quebrou no ar. Jennifer Riordan chegou a ser levada para o hospital, após o pouso de emergência na Filadélfia, mas não resistiu aos ferimentos.
Extra 


← ANTERIOR PROXIMA → INICIO

0 Comments:

Postar um comentário

Editorial