sexta-feira, 13 de abril de 2018

Orquestra Sinfônica de João Pessoa faz II Concerto Oficial da Temporada 2018

A Orquestra Sinfônica Municipal de João Pessoa (OSMJP) faz mais um concerto, neste sábado (14), às 18h, no Auditório Celso Furtado do Centro Cultural Ariano Suassuna. A apresentação é fruto de uma parceria entre a Fundação Cultural de João Pessoa (Funjope) e o Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (TCE-PB), através do Centro Cultural Ariano Suassuna. A entrada é gratuita.

No II Concerto Oficial da Temporada 2018, que terá como solista o fagotista Isaac Soares – integrante da Banda 5 de Agosto –, a Orquestra Sinfônica Municipal será regida pelo maestro Laércio Diniz, seu regente titular, e vai executar obras de três grandes compositores, Wolfgang Amadeus Mozart (1756–1791), Carl Maria Von Weber (1786–1826) e Johannes Brahms (1833-1897).

A primeira obra da noite será a abertura da última ópera de Mozart, "A flauta mágica", que permanece até hoje como um dos maiores sucessos em todos os teatros do mundo.  Na época, o compositor austríaco enfrentava dificuldades financeiras e vivia deprimido, morreria pouco depois da estreia desta ópera, que estreou em setembro de 1791.

Em seguida, a OSMJP vai executar o "Concerto para fagote em Fá Maior, Op. 75", de Weber, com participação do fagotista Isaac Soares. A obra foi escrita em 1811 durante uma turnê que o compositor fez pela Europa. O "Concerto para fagote" foi composto para Georg Frierich Brand por encomenda do Rei da Bavária, Maximilian I.

Para encerrar a apresentação, a "Sinfonia N 4 em Mi menor , Op. 98", de Brahms.Última obra sinfônica do compositor alemão, começou a ser escrita em 1884 e concluída 1885. Esta é uma das obras mais importantes de Brahms e a última ópera que o músico assistiu.

Serviço
II Concerto Oficial da Temporada 2018
Local: Centro Cultural Ariano Suassuna (R. Prof. Geraldo Von Sohsten, 147 – Jaguaribe, anexo ao TCE)
Data: Sábado (14)
Hora: 18h
Secom-JP 
Juneldo Moraes


← ANTERIOR PROXIMA → INICIO

0 Comments:

Postar um comentário

Editorial