segunda-feira, 12 de março de 2018

Veja quem são os seis investigados afastados pela Justiça das funções na BRF e empresas ligadas

A Justiça Federal proibiu seis investigados da 3ª fase da Operação Carne Fraca de frequentarem a BRF ou outros estabelecimentos operacionais ligados à empresa, inclusive laboratórios. Eles também foram suspensos das atividades profissionais remuneradas junto às empresas.
Conforme o pedido do Ministério Público Federal (MPF), acatado pela Justiça na sexta-feira (9), caso as medidas cautelares sejam descumpridas, os investigados ficam sujeitos à decretação de prisão preventiva, que é por tempo indeterminado.

Foram submetidas às medidas cautelares:

  • Fabiana Rassweiller de Souza (responsável pelo setor de Assuntos Regulatórios do Corporativo do Grupo BRF)
  • Décio Luiz Goldoni (gerente agropecuário da planta da BRF de Carambeí)
  • Andre Luis Baldissera (teoricamente afastado da BRF desde a primeira fase da Operação mas recebendo salário)
  • Harissa Silverio El Ghoz Frausto (atuante em laboratórios de análises que atendiam a BRF)
  • Helio Rubens Mendes dos Santos (vice-presidente da BRF até 26 de fevereiro de 2018)
  • Natacha Camilotti Mascarello (analista de qualidade da fábrica de rações em Chapecó)
A nova fase da Carne Fraca, batizada de Operação Trapaça, foi deflagrada na segunda-feira (5). No dia, 11 mandados de prisão temporária relacionados a funcionários e ex-funcionários da BRF foram cumpridos. Todos os investigados foram soltos até a sexta-feira.
Também são investigados o ex-diretor-presidente global da BRF Pedro de Andrade Faria, Luciano Bauer Wienke, Fabiane Baldo, Luiz Augusto Fossati e Tatiane Cristina Alviero.
Para a procuradora da República Lyana Helena Joppert Kalluf, a soltura dos investigados, acompanhada do retorno deles às atividades habituais junto à empresa, coloca em risco a ordem pública e econômica, já que "poderiam atrapalhar o andamento das investigações assim como continuar a realizar as graves fraudes que em tese já vinham cometendo".
De acordo com o MPF, os materiais recolhidos na deflagração da operação estão sendo analisados pela Polícia Federal (PF) em conjunto com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Após a análise, que "demanda razoável duração, será avaliava a possibilidade de oferecimento de denúncias".
O G1 tenta contato com as defesas dos investigados.

Trapaça

Os alvos da nova fase da operação foram quatro unidades da BRF: em Carambeí (PR) e Rio Verde (GO), que produzem frango; em Mineiros (GO), que produz peru; e em Chapecó (SC), que produz ração.
Conforme a PF e o Mapa, as quatro fábricas fraudavam laudos relacionados à presença de salmonela em alimentos para exportação a 12 países que exigem requisitos sanitários específicos de controle da bactéria do tipo salmonela spp.
Além de ex-executivos da BRF, o esquema envolveu funcionários e técnicos de cinco laboratórios. Eles são suspeitos de preencher, com dados fictícios, os laudos fornecidos ao Serviço de Inspeção Federal (SIF/Mapa) a fim de driblar a fiscalização.
Por esse motivo, a operação foi batizada de Trapaça. A suposta irregularidade foi denunciada pela ex-funcionária da BRF, Adriana Marques de Carvalho, que já tinha ido à Justiça trabalhista contra a empresa.
Em nota, a BRF afirmou que segue normas de qualidade e que vai colaborar com as investigações “para esclarecimento dos fatos”.
A empresa é dona de marcas como Sadia e Perdigão e é a maior exportadora de carne de frango do mundo, com vendas em cerca de 150 países.

'Não há risco à saúde'

O coordenador-geral do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Dipoa), do Mapa, Alexandre Campos Silva, disse que, apesar da fraude, a produção de frangos para consumo interno não foi afetada e que não há risco para a saúde pública.
Ele explicou que a bactéria salmonela apresenta mais de 2 mil sorovares (variedades dentro da mesma espécie), mas apenas dois oferecem risco à saúde pública (tifimurium e enteritidis) e outros dois representam risco à saúde animal (pullorum e gallinarum).

Impacto

Na segunda-feira, por causa da operação, a companhia perdeu mais de R$ 4 bilhões em valor de mercado em poucas horas, segundo levantamento da provedora de informações financeiras Economatica.
G1 


← ANTERIOR PROXIMA → INICIO

0 Comments:

Postar um comentário

Editorial