domingo, 25 de março de 2018

Coluna Semanal do Evaldo Gonçalves: Murphy ou Pangloss?

O primeiro deu nome a uma lei responsável pelo conceito determinista de que se uma coisa pode dar errada, dará. Ainda, não apenas gerará contratempo imediato, como ocorrerá no pior momento.  Foi responsável por essa lei o Escritor americano, Arthur Bloch.
Verdade que Schopenhauer e Nietzsche, também, em suas obras, difundiram conceitos irremediavelmente pessimistas, que poderiam ser resumidos na inexorabilidade da vida humana quanto ao fracasso inelutável da vida e dos seus valores. Enfim, para contrabalançar tanto pessimismo, somente o Doutor Pangross representaria uma contrapartida pelas forças inelutáveis do otimismo.
Este, o Doutor Pangloss, é personagem que integra obra famosa de Escritor Voltaire, assegurando que tudo está bem no melhor dos mundos, diferentemente da Lei de Murphy para a qual soluções criam sempre novos problemas.
Contrapondo-se a tais conceitos radicais, as Odes de Horácio exaltam o meio termo, através da Aurea Mediocrita, ou seja, a virtude estaria no meio e não nas exacerbações em favor dos extremos, ou seja, a serviço do Bem ou do Mal.
Todas essas manifestações da inteligência do homem, para os extremos ou para o centro, dão a medida exata da sua liberdade de pensamento, que o faz ser superior capaz de discernir os melhores caminhos para suas realizações como ser humano.
Então, se por um lado, os horizontes político-partidários do Brasil estariam nebulosos, cada dia mais sem uma luz que ilumine nossos caminhos, por outro, deveremos perseverar em busca da melhor solução, sem transigir com os extremos, representados pelos pessimistas e derrotistas de todos os naipes. Nem a Lei de Murphy, nem o otimismo panglossiano.
Haveremos de conquistar nosso Ponto de Equilíbrio que, com certeza, nos trará o reencontro definitivo com as melhores soluções para a consolidação do Brasil como uma grande N
POSTADO POR FERNANDO COUTINHO - NAÇÃORURALISTA.COM.BR


← ANTERIOR PROXIMA → INICIO

0 Comments:

Postar um comentário

Editorial