quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

DER e DNIT discutem parcerias para melhorar setor rodoviário no Estado


O Departamento de Estradas de Rodagem da Paraíba (DER-PB) e o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) discutiram esta semana  a realização de um trabalho conjunto no setor rodoviário do Estado, visando proporcionar melhores condições para as rodovias paraibanas, especialmente no que depender do entendimento entre os dois órgãos.
Os dirigentes dos dois órgãos rodoviários discutiram alguns projetos, principalmente os que dependem da liberação de faixas de domínio federal, como é o caso da Perimetral da cidade de Sousa, onde o DER está elaborando um projeto, que necessita da anuência do Dnit para usar a faixa de domínio da antiga Rede Ferroviária Federal, que está desativada e sob o seu domínio e também as interseções ligando rodovias da malha estadual com as federais.
O projeto da Perimetral, em fase de elaboração pelo DER, é de grande importância para a cidade de Sousa, já que irá interligar a BR-230 com a PB-361, com 8 km de extensão. O diretor superintendente Carlos Pereira de Carvalho e Silva e o diretor de Planejamento e Transporte do DER, José Arnaldo Sousa Lima, explicaram ao dirigente do Dnit porque estavam solicitando a anuência para a liberação da faixa, já que esse projeto vai tirar todo o tráfego pesado que passa por dentro de Sousa, consequentemente melhorando a mobilidade urbana da cidade.
Outro assunto discutido foi a interdição de duas faixas da BR-230, nas proximidades do Iesp, na Capital, logo após o carnaval, para a construção do pilar central para instalação da passarela que o Governo do Estado está construindo naquele local.
O superintendente do Dnit na Paraíba, Francisco Pereira de Lacerda Filho, esteve acompanhado dos engenheiros José Antônio de Araújo Neto, chefe do Serviço de Planejamento e Projetos, e Rainer Rembrandt Pierre Branco, chefe da unidade local em Santa Rita

Secom-PB


Fora do 'BBB18', Mara alega ser vítima de machismo e ataca Mahmoud: 'Recalcada'


Mara levou a pior no Paredão com Ana Paula e deixou o "BBB18" com 55,45% dos votos. Fora do programa, a cientista política gritou "Fora Temer" e disse que foi vítima de machismo. Dentro do confinamento, a parente distante de Bruna Marquezine acusou os participantes de serem um "bando de macho alfa". "Foi um absurdo esse paredão com duas mulheres, me surpreendo muito que um cara como esse, que diz defender causas justas, coloque duas mulheres no primeiro paredão. Ele foi machista, esse paredão foi machista", disparou.
CIENTISTA POLÍTICA ATACA MAHMOUD: 'BICHA RECALCADA'
Após a eliminação, a mineira participou do "Rede BBB" e não poupou críticas ao Líder da semana. A cientista política lembrou o mal-estar de Mahmoud com Ana Paula depois de ser chamado de "viado" e disse que a sister teve mais tempo para fazer campanha para continuar no programa: "Eu acho que a 'bruxinha' teve mais dias para fazer campanha, ficou cinco dias lá depois que aquela bicha recalcada gritou: 'Ana Paulaaaaaa', toda desesperada. Isso ajudou ela, fez uma campanha a favor, transformou ela em vítima".

MINEIRA REPROVA INDICAÇÃO DO LÍDER: 'FOI TOTALMENTE PESSOAL'

Mara mostrou que ainda estava incomodada por ser indicada ao Paredão: "O Mahmoud não gostou de mim desde que colocou o olho na minha cara. A indicação dele foi totalmente pessoal, acho que ele tinha certo medo do que eu poderia fazer no jogo". "Eu acho muito errado. Ele é um participante que luta contra a homofobia, indicar outra pessoa que também defende esta causa é muito errado. Acho errado da parte dele", completou.

EX-SISTER CRITICA LUCAS: 'UM JOGADOR SABONETE'

Até Lucas foi alvo de comentários da ex-BBB. A cientista política criticou as atitudes do cearense: "Acho ele um jogador sabonete, uma hora vai cair a máscara e ele vai ser eliminado rapidamente. Ele, como outros homens, tentam crescer a voz contra as mulheres e tomar o espaço de maneira excessiva". No programa, a mineira se irritou ao ser excluída da Prova da Comida pelo empresário.
Pure People


Tribunal reitera em ofício circular aos prefeitos recomendação conjunta de órgãos ministeriais na PB


O Tribunal de Contas da Paraíba encaminhará, mais uma vez, ofício circular a todas as prefeituras da Paraíba, reiterando as recomendações da Corte de Contas, e agora também, de vários órgãos do Ministério Público federal e estadual, referentes à contratação de escritórios de advocacia, visando a prestação de serviços para o recebimento de valores decorrentes de diferenças do Fundef, conforme o teor da Recomendação Conjunta 02/2018, assinada pelo Ministério Público Federal, Ministério Público Estadual, Ministério Público do Trabalho e Ministério Público de Contas junto ao TCE-PB.
Os órgãos ministeriais recomendam que as Prefeituras paraibanas se abstenham de contratar, sem licitação, os escritórios de advocacia com as finalidades descritas na recomendação, alertando que os contratos não podem prever pagamento dos honorários contratuais com cláusula de risco, nem o pagamento dos honorários deve ser vinculado a qualquer percentual dos recursos complementares do Fundef, decorrentes de processos ajuizados perante a União.
Segundo o conselheiro André Carlo Torres Pontes, o TCE, à solicitação do Ministério Público de Contas no sentido de encaminhar a documentação aos Processos de Acompanhamento da Gestão, bem como da emissão de alertas aos gestores envolvidos. A documentação foi encaminhada à Diretoria de Auditoria e Fiscalização da Corte, no intuito do corpo técnico avaliar a sugestão.
“Temos a preocupação de agir em harmonia com o que já fora decidido no âmbito deste órgão de controle externo e, se for o caso, implementar, evitando duplicidade de providencias, haja vista que o Tribunal Pleno do TCE proferiu decisão sobre matéria semelhante no bojo das recomendações constantes da Resolução RPL-TC 02/2017”, observou o presidente, ao citar pareceres da Corte de Contas, referentes a consultas formuladas pelos prefeitos de Olho D’Água e Santa Rita, consubstanciadas nos pareceres TC 00011/17 e 00016/17, respectivamente.
As diferenças da complementação federal do valor mínimo anual por aluno, prevista na Lei do Fundef (Lei n.º 9.424/96), pagas a menor pela União, quando houve a mudança do Fundo (de Fundef para Fundeb), decorrem de uma Ação Civil Pública, ajuizada pelo MPF em São Paulo. A Justiça Federal sentenciou a União a repassar aos municípios lesados os valores devidos.
Assessoria


Jovem é morto a tiros na Zona Sul de João Pessoa


Um homem foi morto a tiros, na noite desta terça-feira (30), no bairro Colinas do Sul, em João Pessoa. O crime aconteceu próximo a uma creche.
De acordo com informações do Tenente Tiago Silva, não foi encontrada nenhuma documentação com a vítima.
"Ele está, até o momento, sem identificação. Ele sofreu três disparos, no local havia muita gente, mas ninguém passa informações para a polícia, não sabem quantas pessoas foram, se foi em uma moto ou que tipo de arma foi usada", relatou.
O Tenente disse ainda que o jovem estava sozinho quando foi atingido e, provavelmente, ele seguia guiando uma motocicleta.
"Ele estava sozinho e ao lado dele estava uma moto que, provavelmente, vinha sendo conduzida por ele. A gente consultou a placa e deu que essa moto já foi apreendida em uma situação de porte ilegal de arma e em outra situação de roubo", disse.
T5


Turista é baleada durante tentativa de assalto em Praia Bela


Uma turista paranaense de 39 anos foi baleada durante tentativa de assalto no início da tarde desta terça-feira (30), na Praia Bela, no Litoral Sul da Paraíba.
De acordo com informações de testemunhas, o crime ocorreu quando ela estava caminhando com a mãe e foi abordada por dois bandidos que não conseguiram levar pertence da vítima, mas acabou a ferindo.
A dentista, que foi socorrida para o Hospital de Trauma de João Pessoa por uma ambulância do Corpo de Bombeiros, foi atingida na região do ombro direito e os estilhaços da bala afetaram o abdômen e o braço.
A polícia ainda não tem pistas dos suspeitos do crime.

Paraiba.com.br o com informações de Marco Antônio - Águia


Corpo de bebê é encontrado em saco plástico em lixão na Paraíba


O corpo de um bebê foi encontrado, na manhã desta terça-feira (30), por volta das 9h40, dentro do lixão da cidade de Pirpirituba, no Agreste paraibano.
A criança encontrava-se dentro de uma sacola plástica preta com uma fralda amarela. O corpo ainda estava com o cordão umbilical.
Segundo um dos catadores do lixão, o corpo da criança veio no carro do lixo, que faz a coleta pela cidade de Pirpirituba. Assim que derramou os resíduos no terreno, ele disse ainda começou abrir as sacolas e se deparou com o bebê.
A guarnição do destacamento policial local e a equipe do Conselho Tutelar da cidade foram acionadas e se dirigiam até o lixão.
O terreno, onde fica o lixão, está localizado em uma propriedade particular, situado no sítio Retiro, zona rural de Belém.
Wscom


Travesti suspeita de esfaquear Warley tem prisão preventiva decretada




A Polícia Civil decretou, na tarde desta terça-feira (30), a prisão preventiva da travesti acusada de agredir o ex-jogador e dirigente do Botafogo-PB, Warley Santos, na madrugada da última sexta-feira (27). Ela foi encaminhada para o Instituto de Polícia Científica (IPC) para fazer exames e deverá passar por audiência de custódia nas próximas horas.
Na versão do ex-jogador que ficou gravemente ferido precisando passar por mais de uma cirurgia, ele teria sido agredido após um assalto.
Já a travesti Vitória nega que tenha assaltado, ela alegou que houve uma luta corporal e que tem vídeos no celular que comprovam que não houve assalto.
"Não roubei ninguém, ele apenas contratou um serviço e não pagou", disse a travesti, acrescentando que quer ficar frente a frente com o ex-jogador para prestar todos os esclarecimentos.
A travesti ainda afirmou que o ex-jogador a atacou, chegou a dar uma 'voadora' e tentar bater nela com um cinto.
O delegado Diego Garcia, afirmou que está preservando mais detalhes do caso, pois há versões conflitantes por parte da vítima e da acusada e que a travesti vai ser encaminhada para a Central de Polícia onde será ouvida.
A travesti costuma fazer programas durante a noite na região da praia e estava com o celular do ex-jogador. 




Marília Domingues


Prazo de opção para Simples Nacional termina nesta quarta-feira



As micros e pequenas empresas da Paraíba têm até esta quarta-feira (31) para realizar a opção do regime do Simples Nacional. A solicitação deve ser realizada apenas no Portal do Simples Nacional por meio link www.receita.fazenda.gov.br/simplesnacional, clicando em “Simples Nacional – Serviços”, “Solicitação de Opção pelo Simples Nacional”.

A Receita Estadual orienta as empresas que pretendem optar pelo Simples Nacional para que façam antes uma consulta prévia nas repartições fiscais do Estado como forma de saber se existe alguma pendência na inscrição estadual e assim evitar indeferimentos. A empresa não pode possuir pendências cadastrais e/ou fiscais com nenhum ente federativo para fazer a opção. As micros e pequenas empresas podem saber se existe alguma pendência impeditiva no Estado por meio do portal da SER-PB, no link https://www.receita.pb.gov.br/ser/servirtual/simples-nacional/consultar-regularidade.

Mudanças no Simples Nacional – O Simples Nacional sofreu uma série de mudanças neste ano, incluindo desde os novos limites de faturamento, inclusive do MEI; passando pela redução de faixas; nas mudanças na tabela de alíquotas para realizar o cálculo do valor dos tributos; até mesmo de novas categorias de empresas, que poderão optar para o regime diferenciado das micros e pequenas empresas.

Governo do Estado mantém benefícios – Apesar de uma série de mudanças no Simples Nacional em janeiro deste ano, sobretudo, com a redução das faixas de faturamento, o Governo da Paraíba sancionou um projeto de Lei para reduzir o impacto das mudanças nas micros e pequenas empresas paraibanas, optantes do regime. A Lei estadual 11.031 ampliou o limite para realizar a redução de base de cálculo do ICMS do Simples das empresas com inscrição estadual. As micros e pequenas empresas que estiverem nas faixas de faturamento até R$ 1,800 milhão, o que representa 90% das microempresas do Simples Nacional na Paraíba, serão beneficiadas com a redução da base de cálculo do ICMS da lei estadual. As novas empresas que pedirem opção neste mês também serão contempladas com os benefícios.
Secom-PB


Defensoria Pública da Paraíba inaugura Núcleo de Atendimento em Cabedelo



A Defensoria Pública da Paraíba (DDPB) inaugurou, nesta terça-feira (30), um Núcleo de Atendimento em Cabedelo, município localizado na Grande João Pessoa. A solenidade de entrega do novo equipamento pela defensora pública-geral da Paraíba, Madalena Abrantes,  aconteceu às 16h, na sede do núcleo (localizado na Rua Estudante Paulo Maia Guimarães, 2, Praia Formosa). 

Desde o início da atual administração da DPPB, este é o terceiro núcleo de atendimento fora de fóruns entregue à comunidade. Em maio de 2017, foi inaugurada a nova sede do núcleo de João Pessoa e, em junho do mesmo ano, a Defensoria Pública passou a contar com uma nova sede do Núcleo de Atendimento em Campina Grande. 

Segundo a defensora pública-geral, os investimentos em infraestrutura proporcionam melhores condições de trabalho para os defensores públicos, bem como um ambiente mais adequado para o atendimento ao público-alvo da DPPB.

“Quem ganha com isso é a comunidade. Com essas melhorias, os assistidos pela Defensoria Pública serão recebidos e atendidos de forma mais humanizada, visto que agora contamos com um espaço mais adequado”, comentou Madalena Abrantes, acrescentando que, futuramente, também serão inaugurados núcleos de atendimento da DPPB nos municípios de Patos e Sousa. O Núcleo de Atendimento de Cabedelo será coordenado pela defensora pública Elizabeth Pimentel, que foi escolhida pelos próprios colegas.

Para o defensor público Gerardo Rabello, que atua no município portuário, essa medida representa uma importante evolução. “O Núcleo de Cabedelo não existia, está sendo instalado agora. Na verdade, evoluímos de uma pequena sala instalada no Fórum de Cabedelo, para ter essa estrutura mais confortável, mais ampla, com oferta de novos serviços dentro da estrutura da Defensoria Pública, em um município que é uma das grandes cidades que contornam a capital”, declarou Gerardo Rabello.  

Assessoria


TCE orienta prefeitos a não contratarem, sem licitação, escritórios de advocacia


O Tribunal de Contas da Paraíba encaminhará, mais uma vez, ofício circular a todas as prefeituras da Paraíba, reiterando as recomendações da Corte de Contas, e agora também, de vários órgãos do Ministério Público federal e estadual, referentes à contratação de escritórios de advocacia, visando a prestação de serviços para o recebimento de valores decorrentes de diferenças do Fundef, conforme o teor da Recomendação Conjunta 02/2018, assinada pelo Ministério Público Federal, Ministério Público Estadual, Ministério Público do Trabalho e Ministério Público de Contas junto ao TCE-PB.
Os órgãos ministeriais recomendam que as Prefeituras paraibanas se abstenham de contratar, sem licitação, os escritórios de advocacia com as finalidades descritas na recomendação, alertando que os contratos não podem prever pagamento dos honorários contratuais com cláusula de risco, nem o pagamento dos honorários deve ser vinculado a qualquer percentual dos recursos complementares do Fundef, decorrentes de processos ajuizados perante a União.
Segundo o conselheiro André Carlo Torres Pontes, o TCE, à solicitação do Ministério Público de Contas no sentido de encaminhar a documentação aos Processos de Acompanhamento da Gestão, bem como da emissão de alertas aos gestores envolvidos. A documentação foi encaminhada à Diretoria de Auditoria e Fiscalização da Corte, no intuito do corpo técnico avaliar a sugestão.
“Temos a preocupação de agir em harmonia com o que já fora decidido no âmbito deste órgão de controle externo e, se for o caso, implementar, evitando duplicidade de providencias, haja vista que o Tribunal Pleno do TCE proferiu decisão sobre matéria semelhante no bojo das recomendações constantes da Resolução RPL-TC 02/2017”, observou o presidente, ao citar pareceres da Corte de Contas, referentes a consultas formuladas pelos prefeitos de Olho D’Água e Santa Rita, consubstanciadas nos pareceres TC 00011/17 e 00016/17, respectivamente.
As diferenças da complementação federal do valor mínimo anual por aluno, prevista na Lei do Fundef (Lei n.º 9.424/96), pagas a menor pela União, quando houve a mudança do Fundo (de Fundef para Fundeb), decorrem de uma Ação Civil Pública, ajuizada pelo MPF em São Paulo. A Justiça Federal sentenciou a União a repassar aos municípios lesados os valores devidos.
Assessoria


Em uma semana, Brasil registrou 83 casos de febre amarela e 28 mortes


O Ministério da Saúde (MS) divulgou, nesta terça-feira (30), dados atualizados sobre a ocorrência da febre amarela no país. Desde o dia 23, quando foi apresentado o último balanço, foram mais 83 casos de febre amarela, sendo que 28 vieram a óbito.
Ao todo, entre os dias 1º de julho de 2017 e 30 de janeiro de 2018, foram confirmados 213 casos de febre amarela no país e 81 mortes. A pasta também detalhou que 1.080 casos suspeitos foram analisados, sendo que 432 foram descartados e 435 continuam em investigação.
A circulação do vírus da febre amarela em áreas mais amplas do que vinha sendo observado nos anos anteriores – incluindo cidades com maior concentração de pessoas – tem gerado preocupação na população e busca por vacina em postos de saúde. Por isso, o governo federal decidiu a antecipar a campanha de imunização, com doses fracionadas, no Rio de Janeiro e em São Paulo.
No entanto, o número de casos entre julho de 2016 e janeiro de 2017 foi maior que o que tem sido observado. Segundo o ministério, naquela época foram 468 casos confirmados e 147 óbitos.
Para viabilizar ações de combate à doença, a pasta se comprometeu a encaminhar aos estados R$ 54 milhões. Do total, já foram repassados R$ 15,8 milhões para São Paulo e R$ 30 milhões para Rio de Janeiro, onde na segunda-feira (29), o número de mortes pela doença chegou a nove, conforme informou a Subsecretaria de Vigilância em Saúde da Secretaria de Estado de Saúde.
Agência Brasil


Prazo é adiado, e emissão da CNH digital só será obrigatória em julho


O Ministério das Cidades e o Denatran anunciaram nesta terça-feira (30) um novo prazo que todos os estados sejam obrigados a oferecer a CNH digital: 1º de julho.

O prazo anterior era 1º de fevereiro, mas até a última sexta-feira (26) menos da metade dos estados estavam preparados ou já emitindo a carteira de habilitação eletrônica, que tem o mesmo valor da versão impressa. São Paulo e Rio de Janeiro, por exemplo, ainda não oferecem essa opção aos motoristas.

"Alguns órgãos e entidades de trânsito precisam realizar ajustes técnicos", afirmou o Denatran.
Além disso, houve um pedido da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para adequar a CNH Eletrônica nos procedimentos de embarque de passageiros. O documento virtual deve valer como comprovação de identidade nos casos em que a CNH é aceita.
 De acordo com o Denatran, o novo prazo de 1º de julho de 2018 "será improrrogável".
17 mil CNH-e já foram emitidas
Pelo menos 12 estados e o Distrito Federal já aderiram à CNH digital e alguns deles já estão emitindo o documento. Goiás foi o primeiro estado a oferecer a versão no celular, em um projeto piloto, desde outubro.
Acre, Alagoas, Distrito Federal, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Pernambuco, Rondônia, Rio Grande do Sul e Tocantins aderiram nos meses seguintes.
Pernambuco e Minas Gerais também estão aptos, afirmou o Denatran. Cerca de 17 mil motoristas já usam as carteiras digitais no país inteiro.
Como obter a CNH?
Quando ela estiver valendo no seu estado, o primeiro passo é cadastrar-se no no Portal de Serviços do Denatran;
ir ao Detran onde foi emitida a CNH impressa para confirmar seus dados (quem optar por usar um certificado digital, que é pago, pode fazer todo o processo online);
caberá a cada Detran cobrar ou não pela via digital, e determinar um valor;
baixar o aplicativo gratuito da CNH digital, que estará nas lojas oficiais da Apple e do Google (para aparelhos Android);
acessar o aplicativo por meio de um código de ativação que o Denatran enviará por e-mail aos usuários inscritos, quando o estado disponibilizar a CNH digital;
criar uma senha de 4 dígitos para acessar o documento no celular.
Ela vai valer tanto quanto a CNH física?
Sim. Segundo o Ministério das Cidades, a CNH digital será uma versão do documento com o mesmo valor jurídico da CNH impressa.
Qualquer motorista poderá tirar?
A CNH digital só poderá ser emitida para quem tem a nova CNH, com QR Code, um código específico para ser lido por aparelhos eletrônicos. Ele existe na parte interna das carteiras de habilitação emitidas desde maio último. Quem tem a versão antiga, precisará renovar a impressa para, então, solicitar a digital.
Quanto custará? Quem já tem a CNH impressa terá de pagar para ter a digital?
O Denatran diz que a cobrança de possíveis taxas para emissão da CNH digital ficará a cargo dos Departamentos Estaduais de Trânsito (Detrans). São eles que determinam atualmente os valores das taxas da CNH impressa, que variam de estado para estado.
Em alguns estados, o documento é gratuito, pelo menos por enquanto. No entanto, se o motorista não tiver a última versão da CNH com QR-Code e quiser a CNH-e, ele deverá pedir uma segunda via da carteira, que é cobrada.
É preciso ter certificado digital?
Não é obrigatório, diz o Denatran. O certificado digital, que é uma assinatura eletrônica com a mesma validade da assinatura física, e possibilita realizar operações pela internet, vai permitir que todo o processo de obtenção da CNH digital seja feito onde o motorista estiver.
Caso contrário, ele terá de ir até o Detran para confirmar seus dados.
O certificado digital é pago e oferecido por entidades credenciadas, como os Correios e a Serasa. Em ambos, o pacote de 1 ano do certificado digital custa R$ 164. Os Correios também oferecem o serviço por 36 meses por R$ 267.
O Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro), empresa pública que desenvolve o sistema da CNH digital, também oferece certificados digitais. Com válidade de 1 ano, o preço é de R$ 145, enquanto para 36 meses é de R$ 220.
"Para a maioria das pessoas, eu duvido que vai valer a pena comprar um certificado digital por R$ 200 ou mais (incluindo custo do cartão e leitor) só para fazer o pedido dessa CNH. Talvez a melhor maneira de tratar desse assunto é: quem já precisa de e-CPF para suas atividades (como alguns empresários, advogados, contadores) vai ter a opção de emitir e bloquear a CNH digital sem ir ao Detran", aponta Altieres Rohr.

Qual é o aplicativo da CNH digital?

Ele pode ser encontrado pela busca por CNH digital nas lojas da Apple e do Google (para aparelhos Android). Cuidado com falsos aplicativos: este é gratuito para baixar e nele está escrito o nome do Serpro (Serviço Federal de Processamento de Dados), que desenvolveu o sistema.

Além de abrigar a CNH, o aplicativo terá outras funções?

Sim. A previsão é que, pelo aplicativo da CNH Digital, seja possível também consultar a pontuação e ser avisado da proximidade do vencimento da carteira. Ele também permitirá exportar "exportar" e compartilhar o arquivo da CNH (por e-mail e até whatsapp) para usar em situações que exigem um documento autenticado.

A CNH digital é segura? E se roubarem meu celular?

O Ministério das Cidades afirma que há um conjunto de padrões técnicos para suportar um sistema criptográfico que assegura a validade do documento.
A autenticidade da CNH digital poderá ser comprovada pela assinatura com certificado digital do emissor (Detrans) ou com a leitura de um QRCode, mas isso não quer dizer que será preciso ter sinal de internet para acessar o documento.
Para visualizar a CNH digital, sempre será necessária uma senha de 4 dígitos para abrir CNH digital, diz o Serpro.
Caso o smartphone com a CNH digital seja roubado, o usuário deverá bloquear o documento. Se tiver o certificado digital, ele poderá entrar no Portal de Serviços do Denatran e solicitar o bloqueio remoto. Caso contrário, terá que ir até algum posto do Detran.
"É positivo. Se eles baixam demais a segurança no bloqueio, por exemplo, alguém que rouba sua senha poderia invalidar sua CNH digital enquanto você está numa viagem e te causar uma série de problemas. Então, faz sentido que esse tipo de solicitação exija uma segurança adicional", diz Altieres, especialista em defesas contra ataques cibernéticos.
E se não tiver sinal de internet ou wi-fi onde o guarda pedir minha CNH?
Não há problema. De acordo com o Denatran, será necessária conexão com a internet somente no primeiro acesso, depois, a CNH estará disponível off-line. O acesso é feito com uma senha de 4 dígitos, afirma o Serpro.
E se eu quiser a CNH impressa?
A CNH digital será opcional, para quem tiver interesse em ter o documento no smartphone. A carteira impressa continuará a ser emitida normalmente, nos padrões atuais.
Qual a multa para quem esquece a CNH?
Quem tem habilitação, mas não está com o documento ao dirigir, comete infração leve, com multa no valor de R$ 88,38, mais 3 pontos na carteira. O veículo fica retido até a apresentação do documento.
Multa para quem esquecer a CNH vai acabar?
Existe um projeto que extingue a multa para quem esquecer a CNH, mas ele ainda está tramitando no Congresso.
Ele foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça e da Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados em junho passado, em caráter conclusivo, e deveria seguir para o Senado. Mas foi apresentado um recurso, pedindo que a proposta seja analisada no plenário. Até a última atualização desta reportagem, esse recurso ainda estava na Mesa Diretora da Câmara, para ser apreciado.
Além de passar na Câmara e no Senado, o projeto precisará também da sanção do presidente Michel Temer para valer.

G1


Desmatadores doaram R$ 59 milhões à metade de deputados federais eleitos


Quase metade dos deputados federais eleitos para a atual legislatura recebeu financiamento de doadores que estão na lista de autuados do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis). Dos 513 eleitos, 249 receberam um total de R$ 58,9 milhões em doações oficiais de empresas e pessoas que desmataram e queimaram florestas, entre outros crimes e infrações ambientais. O valor inclui contribuições diretas e indiretas --quando o dinheiro passa pelo comitê ou diretório do partido.
Receber essas doações não é crime nem é vedado pela Justiça Eleitoral. Mas a grande proporção de financiadores-infratores pode chamar a atenção, em especial quando se trata de uma legislatura que aprovou projetos criticados por seus impactos ao meio ambiente. Caso da "MP da Grilagem", como ficou conhecida a medida provisória que facilita a regularização de áreas públicas invadidas. Assim como das votações que reduziram a proteção da Floresta Nacional do Jamanxim (PA) e de dois parques nacionais.
Os doadores autuados são, no total, 92 empresas e 40 pessoas físicas. Os dados têm como fonte as declarações dos candidatos ao Tribunal Superior Eleitoral e a lista de autuados do Ibama em novembro de 2017. Os dados foram cruzados pelo Ruralômetro, ferramenta produzida pela Repórter Brasil que permite monitorar a atuação de cada deputado em áreas sensíveis ao meio ambiente, povos indígenas e trabalhadores rurais.

Benefícios para os doadores de campanhas

O cruzamento de dados oferece pistas sobre como os interesses de financiadores-infratores ambientais podem estar conectados à ação dos parlamentares. Não é suficiente para concluir que os doadores determinam os votos e proposições, mas revela algumas coincidências que podem ser monitoradas. 
Gilberto Soares/MMA
Deputado Adilton Sachetti, em reunião no Ministério do Meio Ambiente

É o caso do deputado Adilton Sachetti, eleito pelo PSB-MT, mas temporariamente licenciado do cargo e sem partido. Em 2015, seis meses depois de tomar posse, o parlamentar apresentou três projetos de decreto parlamentar que refletem de modo direto o interesse econômico de cinco financiadores de sua campanha, todos eles integrantes da lista do Ibama.
Ativo integrante da Frente Parlamentar Agrícola, a bancada ruralista, Sachetti recebeu R$ 1 milhão de cinco pessoas e uma empresa que cometeram infrações ou crimes ambientais. O valor representa 26% de tudo o que ele arrecadou em 2014.
Os projetos do parlamentar autorizam a instalação de hidrovias em rios que cortam os estados do Pará, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás. Se aprovada, a rota abriria passagem para embarcações de transporte de carga saírem dos municípios de Sinop e Juína, região do Mato Grosso onde ficam os negócios de cinco dos doadores-infratores, e navegarem até a foz do Rio Tapajós, na cidade paraense de Santarém.
Entre esses doadores, o nome mais conhecido é o de Eraí Maggi, produtor que "roubou" o título de rei da soja do seu primo e ministro da Agricultura Blairo Maggi (PP-MT). Para ajudar a eleger Sachetti, Eraí entrou com R$ 50.320. O seu cunhado, José Maria Bortoli, entrou com R$ 100 mil. Ambos são sócios do Grupo Bom Futuro, que reúne 36 fazendas produtoras de grãos, algumas a 200 quilômetros de onde sairiam as embarcações da hidrovia.
Lilo Clareto/Repórter Brasil
Milhares de ribeirinhos, que vivem da pesca, seriam impactadas pelos projetos

Tanto Eraí quanto o cunhado figuram na lista do Ibama por desmatamento ilegal nas suas fazendas na região. No caso do novo rei da soja, uma de suas propriedades foi embargada por desmatar 1.463 hectares, com multa de R$ 438 mil.
O terceiro nome é Romeu Froelich, presidente do Grupo Nativa e também produtor de soja, algodão e milho na região, no município de Primavera do Leste (MT). Ele doou R$ 100 mil ao deputado. Froelich tem multa de R$ 5,5 milhões por destruir 3.724 hectares de floresta nativa da Amazônia.
O quarto doador é Roland Trentini, que foi da diretoria regional da Aprosoja, a Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso. Ele contribuiu com R$ 50 mil e teve a atividade de sua fazenda embargada pelo Ibama. Sua multa já foi quitada.
Procurados pela reportagem, por e-mail e telefone, os quatro empresários não responderam aos pedidos de esclarecimento. O único a se manifestar foi Santo Nicolau Bissoni, que doou R$ 50 mil a Sachetti e é sócio da Transportadora e Agropecuária Botuverá, de Rondonópolis.
As multas já estariam prescritas, segundo Adelino Bissoni, irmão e sócio que falou em nome do doador. "Há uma dificuldade imensa para retirar da lista do Ibama, já existe um pedido na Justiça." Sobre a relação com o deputado, o produtor afirma que não há favorecimento. "Ele é um cliente nosso de 30 anos. Somos amigos", diz sobre Sachetti, que também é produtor rural.
Vinícius Mendonça/Ibama
Operação de Fiscalização do Ibama flagra desmatamento na Floresta Nacional do Jamanxim, onde a Câmara dos Deputados votou para reduzir a área de proteção

"Tenho uma história com essas pessoas"

Juntos, os cinco doadores-infratores formam um grupo coeso e próximo ao parlamentar, como Sachetti confirma. "Eles são meus amigos, somos todos lideranças do setor. Chegamos juntos ao Mato Grosso como arrendatários, eu tenho uma história com essas pessoas". O deputado diminui a importância das infrações e crimes ambientais.
Quem mora em área de fronteira agrícola, com nossa legislação, não vai escapar de ter problemas com o Ibama. No Mato Grosso, a maioria dos produtores tem problema com a lei ambiental
Adilton  Sachetti, deputado
Questionado sobre o alinhamento de interesses, defende seus projetos e a necessidade do escoamento da produção rural do Centro-Oeste. "Eu sei o que é ter que trabalhar para melhorar a logística do país. A gente vive em um Estado em que há um problema de logística", afirma o parlamentar. "Recebi essas doações sim, não há o que esconder."
De fato, os projetos de Sachetti não refletem apenas os interesses de seus doadores, eles respondem a uma das principais reivindicações do agronegócio: melhores condições para transportar grãos e gado do centro para o litoral.
Ministério da Agricultura
Produtores de soja fazem lobby pela criação de vias de transporte para escoar a produção do centro para o litoral

Embora amplamente defendida pelo setor, as hidrovias são criticadas por organizações ambientais. No caso daquelas propostas por Sachetti, as obras exigiriam dragagem de trechos dos rios, destruição de corredeiras para a construção de eclusas, além de criar novos portos e trânsito constante de embarcações em uma região da Amazônia que é ainda bastante preservada.
Composta por um mosaico de terras indígenas e áreas de proteção, ainda não há uma avaliação de qual seriam os impactos na área. "É o mesmo processo de Belo Monte, querem aprovar um decreto antes mesmo de fazer os estudos de viabilidade ambiental", afirma Brent Milikan, diretor da ONG International Rivers no Brasil.
O caso de Sachetti é visto pelos críticos como mais um exemplo de como os deputados reproduzem o abismo que existe entre os interesses do agronegócio e as necessidades da Amazônia, povos indígenas e comunidades tradicionais.
Eles não estão preocupados em ouvir quem será impactado negativamente. A regra é ignorar os já marginalizados e classificar indígenas como inimigos do desenvolvimento
Danicley Aguiar, especialista em Amazônia do Greenpeace
A principal crítica é sobre o processo de decisão dentro da Câmara ser pautado pelo grupo que seria mais beneficiado, o agronegócio, sem prever mecanismos de debate ou consulta aos grupos que seriam mais prejudicados, os milhares de indígenas e ribeirinhos que vivem às margens dos rios. Aguiar e Brent citam a Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho, da qual o Brasil é signatário, para lembrar que essas comunidades têm o direito de serem consultadas dentro do processo de decisão.
"Esses projetos de logística precisam passar pelo debate popular", afirma Aguiar. "Não dá para a decisão ficar restrita aos interessados."
Lilo Clareto/Repórter Brasil
Ribeirinhos em Pimental, comunidade que seria alagada pela construção de hidrelétricas e eclusas, necessárias para a passagem da hidrovia

Doadores-infratores financiaram seis ministros

Com R$ 2 milhões doados por empresas que têm a ficha suja no Ibama, a recordista da Casa é a deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ), que atualmente aguarda decisão judicial para assumir a pasta do Trabalho.
"Lamento que as empresas tenham cometido infrações ambientais, espero que elas acertem suas pendências com os órgãos responsáveis", disse a deputada, que afirma nunca ter tido contato com esses doadores. Segundo a parlamentar, o dinheiro veio por meio de acordos com as direções partidárias nacional e estadual, que são comandadas por seu pai, o ex-deputado Roberto Jefferson.
Depois de eleitos, muitos deputados federais se afastaram da Câmara para assumir cargos no Poder Executivo federal ou nos seus estados de origem. Entre os financiados por infratores, estão seis atuais ministros do governo do presidente Michel Temer.
O grupo inclui até o chefe da pasta do Meio Ambiente, José Sarney Filho (PV-MA), o que menos recebeu entre os ministros, com R$ 35 mil. Por meio de sua assessoria, o ministro afirmou que "as doações foram recebidas via Partido Verde. Se soubesse das irregularidades das empresas, não teria aceitado".
O ministro da Saúde, Ricardo Barros (PP-PR), que recebeu R$ 627 mil, declarou que "não tem conhecimento da multa aplicada". Já o ministro da Educação, Mendonça Filho (DEM-PE), que recebeu R$ 330 mil, não respondeu aos pedidos de esclarecimento.
Os outros três ministros são Leonardo Picciani (PMDB-RJ), dos Esportes; Marx Beltrão (PMDB-AL), do Turismo; e Alexandre Baldy (Podemos-GO), das Cidades. Eles receberam, respectivamente, R$ 399 mil, R$ 300 mil e R$ 60 mil de infratores ambientais. Por meio de suas assessorias, declararam que todas as doações eleitorais foram regulares e constam na prestação de contas aprovadas pela Justiça Eleitoral.
O trânsito de deputados para cargos legislativos seria mais uma forma de explicar o interesse dos doadores nessas campanhas, segundo Juliana Malerba, assessora da Fase, ONG que atua na defesa dos povos tradicionais na Amazônia. "Os lobbies sobre as leis de proteção ambiental operam também sobre o Executivo por meio da indicação de cargos ou influenciando medidas provisórias e portarias que garantam celeridade na aprovação de licenças", afirma.
Vinícius Mendonça/Ibama
Árvore seca em meio a pasto em Novo Progresso, no Pará. Desmatamento ilegal foi flagrado pelo Ibama na região

Infratores doaram para quase todos os partidos

O rol de deputados eleitos com dinheiro de infratores não está restrito à bancada ruralista: há políticos de todas as orientações ideológicas, da esquerda à direita. Todos os partidos têm pelo menos um deputado na lista, com exceção do PSOL e do PSL.
Na avaliação de especialistas, a prática disseminada deste tipo de financiamento acompanha a tendência de flexibilizar a legislação de proteção ao meio ambiente. "Esse é o exemplo do lobby legal. Existe uma força social, dentro do Congresso, que leva a Casa para determinada direção", observa Emerson Cervi, professor departamento de Ciência Política Universidade Federal do Paraná.
Para Pedro Fassoni Arruda, professor do departamento de Ciência Política da PUC-SP, esse tipo de financiamento não é uma novidade. "Na eleição do Congresso Constituinte, a União Democrática Ruralista já fazia leilão de gado para financiar os candidatos comprometidos com os seus interesses."
Como as doações foram feitas de modo declarado, Cervi observa que é mais difícil, embora necessário, monitorar se a ação do parlamentar está refém dos interesses dos financiadores. "Multado financiar não é ilegal. Agora, multado financiar e conseguir benefícios é imoral."

Leia na íntegra as respostas de empresas e deputados

Deputada Cristiane Brasil
"Nunca tive relação nem contato com nenhuma das empresas que me doaram. Foram acordos com as direções partidárias nacional e estadual. Lamento que as empresas tenham cometido infrações ambientais e espero que elas acertem suas pendências com os órgãos responsáveis."
Deputado Marco Antônio Cabral
"Todas as doações foram feitas de forma transparente e declarada, cumprindo as normas da legislação eleitoral."
Deputado Nelson Meurer
Procurado, não respondeu às solicitações.
Deputado Dilceu Sperafico
"Eu não sei absolutamente nada. Eu só recebi doações do partido. O partido centralizava as doações e distribuía aos candidatos. Não pedi doação a nenhuma empresa. Recebíamos do partido, que repassava para nós. Mas eu não tive contato com nenhuma dessas empresas. Seis mandatos já fiz, e nunca pedi doações. Não conheço essas empresas. Quem tem que dar explicação é o partido."
Deputado Arthur Virgílio Bisneto
Assessoria declarou que todas as doações foram registradas e estão dentro da lei.
Agrex do Brasil
"No momento da autuação [pelo Ibama] a Agrex do Brasil, ainda denominada Los Grobo, possuía um contrato de parceria agrícola com um produtor da região do Maranhão, contrato esse firmado em 2009 e encerrado em 2014. O referido proprietário foi autuado, mas como o contrato de parceria ainda estava vigente, também fomos incluídos no auto de infração.
A multa lavrada foi devidamente paga e também foi assinado junto ao Ibama um plano de recuperação de áreas degradadas. Ano após ano tem crescido nosso cuidado em ter uma gestão responsável da nossa produção, originando nossos grãos através de processos ambientalmente corretos e socialmente adequados.
A Agrex do Brasil é membro da Acebra, Associação das Empresas Cerealistas do Brasil, instituição que exerce papel importante no desenvolvimento da produção agrícola brasileira. Em 2014, como os demais membros da associação, realizamos uma doação ao candidato a deputado Dilceu Sperafico (PP-PR). A doação foi feita de forma transparente como auxílio à campanha eleitoral do deputado."
Alesat Combustíveis
"As doações foram direcionadas aos partidos citados, conforme permitido pela legislação eleitoral à época. A empresa não acompanha esses parlamentares. A empresa desconhece a autuação referente a obras em Aracati (CE) sem licença ambiental."
Camargo Corrêa
"A Construções e Comércio Camargo Corrêa esclarece que não procede a informação sobre doação eleitoral e que executou as obras citadas com as licenças ambientais competentes. A empresa apresentou os esclarecimentos cabíveis em recurso no âmbito administrativo."
Cervejaria Petrópolis
"Todas as doações eleitorais do Grupo Petrópolis foram feitas seguindo a legislação e ocorreram de forma legal para todos os partidos. São os partidos que escolhem os candidatos que devem receber os recursos. Ambas as multas estão sendo contestadas judicialmente."
Construtora Andrade Gutierrez
Procurada pela reportagem, empresa informou que não vai se manifestar.
Construtora Queiroz Galvão
Procurada pela reportagem, a empresa não respondeu às solicitações.
FBS Construção Civil e Pavimentação
"A FBS Construtora informa que em 2014 realizou uma doação ao Partido Progressista e não ao deputado em questão. Quanto ao tema relacionado ao Ibama, esclarecemos que a FBS, na época, realizou as atividades em áreas indicadas e autorizadas pelo órgão competente.
Neste momento, a empresa está elaborando um novo Projeto de Recuperação de Área Degradada – PRAD, que será submetido à aprovação do Ibama.
Reiteramos nosso compromisso com as questões socioambientais e para tanto adotamos uma política que cumpre, rigorosamente, todas as normas de Qualidade, Segurança, Meio Ambiente e Saúde, sempre em conformidade com a Legislação vigente."
Flora Produtos de Higiene e Limpeza
Procurada pela reportagem, a empresa não respondeu às solicitações.
Galvão Engenharia
Procurada pela reportagem, a empresa não respondeu às solicitações.
Stopetróleo S/A
Procurada pela reportagem, a empresa não respondeu às solicitações.
UOL


Em papo picante, Ana Paula admite: 'Já fiz sexo com mais de 50 pessoas'


No quarto submarino, a temperatura esquentou na madrugada desta terça-feira (30). Em conversa com Kaysar e Patrícia, a estudante Ana Paula fez uma série de revelações sobre sua vida sexual.
A catarinense afirmou já ter transado por nove horas seguidas e contou que fez sexo com cinco homens de uma vez. "Meu fetiche é transar no avião", disse a sister, "o resto eu já fiz de tudo".
Quando perguntada sobre os lugares mais inusitados em que teve relações, Ana Paula enumerou: "Eu já fiz sexo em lugares doidos, mas o mais maluco foi em um bosque perto da minha casa, onde tem uns patinhos. Já fiz na areia da praia, no cinema, na balada, no elevador, no navio, na rua, dentro do carro...".
A cearense Patrícia ficou surpresa com as experiências da colega de confinamento, e questionou: "Com quantos caras você já transou?". A aprendiz de bruxa disse não ter noção do número, pois já parou de contar faz tempo.
"Eu fiquei dois anos solteira e aproveitei demais. Contando homem e mulher, foi mais de 50, com certeza. Talvez até chegue a 100", disse Ana Paula.
UOL


Parlamento catalão adia sessão para discutir quem assume presidência da região


O presidente do Parlamento da Catalunha, Roger Torrent, adiou a sessão que discutiria a posse do novo presidente regional que estava prevista para esta terça-feira (30), de acordo com o jornal espanhol “El País”.
Apesar das barreiras judiciais e da ferrenha oposição do governo da Espanha, a única candidatura é a de Carles Puigdemont, que foi destituído após a declaração unilateral de independência da região em 2017.
Poucos antes do presidente do Parlamento catalão tomar a decisão de adiar a sessão, o primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, já tinha advertido sobre as possíveis consequências judiciais caso permita uma posse não presencial de Puigdemont, segundo a France Presse.
Em uma entrevista ao canal público TVE poucas horas antes da sessão parlamentar, Rajoy recordou que o Tribunal Constitucional proíbe uma posse a distância de Puigdemont, que está na Bélgica desde outubro. O premiê afirmou ainda que se Torrent permitir a posse nessa situação "incorreria em responsabilidades por não cumprir uma resolução dos tribunais".
Charles Puigdemont chega ao aeroporto de Copenhagen, na Dinamarca (Foto: Tariq Mikkel Khan/Scanpix Denmark via Reuters)Charles Puigdemont chega ao aeroporto de Copenhagen, na Dinamarca (Foto: Tariq Mikkel Khan/Scanpix Denmark via Reuters)Charles Puigdemont chega ao aeroporto de Copenhagen, na Dinamarca (Foto: Tariq Mikkel Khan/Scanpix Denmark via Reuters)
Por causa desta decisão judicial, Puidement é obrigado a pedir permissão pessoalmente ao juiz que coordena o processo contra os principais nomes do independentismo catalão, para conseguir comparecer à Câmara. O próprio Puigdemont recorreu contra a decisão e o Tribunal Constitucional se reunirá nesta terça-feira para uma decisão a respeito.
Puigdemont deixou a Catalunha, junto com quatro conselheiros de seu Governo, para evitar comparecer perante a Justiça espanhola que o acusa dos supostos crimes de rebelião, secessão e malversação de cargos públicos, ao ter liderado o processo separatista que terminou com a declaração unilateral de independência em 27 de outubro.
G1


Mais mudanças! Facebook vai priorizar posts locais no feed de notícias


Mark Zuckerberg segue na sua missão de "consertar o Facebook". Agora, ele usou a sua página oficial para anunciar que a rede social irá modificar mais uma vez o feed de seus usuários. Desta vez, o algorítimo usado pela companhia vai começar a priorizar conteúdos postados por fontes locais e que tragam informações mais próximas da realidade do usuário.
O comunicado vem após a rede social anunciar uma grande mudança no feed de notícias para priorizar amigos, a criação de uma seção exclusiva para notícias locais e o anúncio de uma nova política para que os usuários administrem com mais facilidade os dados que são armazenados pela companhia.
Zuckerberg garante que a nova iniciativa da rede social vai transformá-la em uma comunidade mais construtiva e evitar polêmicas desnecessárias:
Muitas pessoas me disseram que pensam que se pudéssemos diminuir a temperatura dos temas mais divisivos e nos focássemos em temas locais e concretos, poderíamos fazer progresso juntos. Notícias locais ajudam a formar comunidades, tanto online quanto offline. É uma parte importante de garantir que o tempo que passamos no Facebook é valioso
Ele ainda destaca que as noticias locais tendem a fazer com que as pessoas se envolvam mais em suas comunidades:
As pessoas que sabem o que está acontecendo ao seu redor são mais propensas a se envolver e ajudar a fazer a diferença
Por enquanto, a mudança está sendo implementada apenas nos Estados Unidos, mas é bem provável que ela chegue a outros lugares em breve. No entanto, alguns acreditam que essa iniciativa pode fazer com que as pessoas se isolem em ilhas locais, ao invés de se conectarem globalmente.

Tudo Celular


Líder da oposição do Quênia faz juramento e se autoproclama 'presidente do povo'


O líder da oposição do Quênia, Raila Odinga, se autoproclamou nesta terça-feira (30) "presidente do povo ", após não reconhecer como válidos os resultados das eleições de outubro de 2017 nas quais foi reeleito o atual chefe de Estado, Uhuru Kenyatta.
Odinga fez o juramento do cargo em um parque da capital, Nairobi, diante de dezenas de milhares de apoiadores.
"Juro que serei fiel e leal ao povo e à República do Quênia, que preservarei, protegerei e defenderei a Constituição do Quênia", disse.
O procurador-geral do país, Githu Muigai, alertou que a posse autoproclamada pode incorrer em um delito de alta traição, punido com a morte, ainda que o país não tenha executado nenhum preso desde 1987.

País dividido

Após uma primeira eleição (em agosto de 2017) ser cancelada por irregularidades, Odinga negou-se a concorrer novamente. Ao retirar a sua candidatura, Kenyatta conseguiu vencer as eleições de outubro com 98,26% dos votos.
A eleição marcou uma dura disputa entre as duas principais dinastias políticas do país da África Oriental. Kenyatta é filho do presidente fundador do Quênia, Jomo Kenyatta. Já Raila Odinga é um ex-prisioneiro político de 72 anos e filho do primeiro vice-presidente do país.
Kenyatta também é amplamente visto como o representante do povo Kikuyu, o maior grupo étnico do país, enquanto Odinga está associada ao grupo Luo, que nunca conseguiu eleger um chefe de estado.
G1


Chaves e Chapolim serão exibidos pelo Multishow


Chaves e Chapolim serão exibidos pelo Multishow. Ao G1, a assessoria do canal de TV por assinatura confirmou a compra dos direitos de transmissão. Não há ainda informações sobre exibição, estreia e detalhes do contrato.

"Chaves" foi o programa mais visto da televisão mexicana e foi dublado em 50 idiomas, segundo a Televisa. No Brasil, é exibido há mais de 33 anos pelo SBT e também já fez parte da programação do Cartoon Network, da TV paga.

Ele era um dos personagens e segmentos do programa "Chespirito" que começou a ser exibido no México em 1971. O primeiro capítulo de "El Chavo del Ocho" (como era conhecido o personagem nos outros países de língua espanhola) foi transmitido em 20 de junho de 1971.

Transmitido na China, Japão e Europa
O sucesso das histórias do menino sardento de 8 anos que vive dentro de um barril foi tanto que seu programa era transmitido para quase todos os países da América Latina já em 1973. Chaves foi transmitido também na Tailândia, China, Japão e Grécia.

A série foi produzida originalmente entre 1971 e 1980, como programa independente, e entre 1980 e 1992 como esquete do programa de variedades "Chespirito", que Bolaños estrelou na rede de TV Televisa. Foram mais de 300 episódios, segundo a rede Televisa.

Dono de frases antológicas como "ninguém tem paciência comigo" e "não contavam com a minha astúcia", que marcaram gerações de fãs em toda a América Latina, Roberto Gómez Bolaños, criador dos seriados "Chaves" e "Chapolin", morreu em 2014.
G1


Circuito Cardume chega à última semana com cinco espetáculos no Paulo Pontes


O Circuito Cardume 2018 chega à sua quarta e última semana com cinco atrações. A Escola de Dança do Theatro Santa Roza entra em cena com duas delas. Nesta terça-feira (30), às 20h, será apresentação do espetáculo 'A Magia do Lago', uma adaptação de 'O Lago dos Cisnes',  com os bailarinos do nível avançado da escola de balé. Já na quarta-feira (31), às 19h, será a vez de 'Pinóquio', um clássico da literatura infantil. Na quinta (1) e sexta (2), o público poderá assistir "Boca de Forno", do Coletivo Som e Osso (dança). A entrada custa R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia).
Fechando a temporada, no sábado (3) e domingo (4), as atrações são "Aurora das Fadas", do Ponto Triplo Centro Cultural, às 17h, e "Veríssimos Vorazes", do grupo D'Vorazes de Teatro, às 20h. Todas as sessões ocorrem no palco do Teatro Paulo Pontes, no Espaço Cultural.
Sobre o projeto - Tomando como base a ideia de coletivo e a perfeita sincronia entre os membros de uma mesma equipe, os peixes que habitam os espelhos d'água do Espaço Cultural José Lins do Rego serviram de inspiração para o nome do projeto de ocupação lançado pela Funesc há dois anos para preencher a pauta dos teatros Paulo Pontes e Santa Roza ao longo do mês de janeiro. Intitulada "Cardume", a ação este ano traz 16 espetáculos de teatro, dança e circo.
O projeto nasce da necessidade de ocupar esses locais durante o mês de janeiro, além de oferecer mais uma opção de lazer aos turistas que visitam a capital paraibana durante o período de alta estação. A ideia é proporcionar um ambiente de circulação de espetáculos paraibanos. A curadoria dessa primeira edição fica por conta dos fóruns de teatro, dança e circo, representados por Antônio Deol, Rafaela Lira e Marinalva Rodrigues, respectivamente.
O Cardume é uma iniciativa da Funesc desenvolvida por meio das coordenações de teatro (Suzy Lopes), dança (Ângela Navarro) e circo (Diocélio Barbosa), áreas envolvidas no projeto. Além de estabelecer uma consistente agenda de programação ao longo do mês de janeiro, o projeto dá acesso ao público em geral ao que está sendo produzido na cena paraibana. Verdadeira vitrine para grupos de artistas paraibanos, o projeto contribui para a formação de público oferecendo atrações de alto nível a preços acessíveis, além de oferecer a oportunidade aos grupos de escolas de formação artística.
Programação Geral Circuito Cardume 2018
Ingressos: R$ 10 (meia) e R$ 20 (inteira)
QUARTA SEMANA – Teatro Paulo Pontes:
30, terça
20h – A MAGIA DO LAGO – Escola de Dança do Theatro Santa Roza
31/01 Quarta
19h – PINÓQUIO – Escola de Dança do Theatro Santa Roza
01 e 02/02 – Quinta e Sexta
20h - BOCA DE FORNO – Coletivo Som e Osso (Dança)
03 e 04/02 – Sábado e Domingo
17h – AURORA DAS FADAS – Ponto Triplo Centro Cultural
20h – VERISSIMOS VORAZES – D'Vorazes de Teatro (Teatro)
Secom PB


Carnaval da Paz: 21ª edição do Crescer será traduzida para Libras


A 21ª edição do Crescer – o Encontro da Família Católica, promovido pela Comunidade de São Pio X, da Diocese de Campina Grande, será traduzida integralmente para Língua Brasileira de Sinais – Libras. Estarão se revezando, ao longo do encontro, dois profissionais.
A tradução também será transmitida ao vivo pelo Facebook. Uma das pastorais mais atuantes na garantia dos direitos a acessibilidade dos surdos, a Pastoral dos Surdos da Paróquia Nossa Senhora do Rosário, será a responsável pela tradução do encontro, desde a recitação do terço, pregações e músicas até a celebração da Santa Missa de encerramento.
Elizabeth da Silva Teófilo, tradutora de libras, diz que considera a tradução religiosa como uma missão e não um trabalho. "Assim como nós ouvintes, eles também precisam viver esses momentos. É gratificantes ver eles se emocionando com testemunhos de vida, ajudando colegas em situações difíceis e aprendendo com a Palavra de Deus".
Há mais de 15 anos o encontro é traduzido e continuará sendo para garantir a inclusão de surdos, de acordo com a coordenação do Crescer. "Traduzir o encontro para Libras é garantir inclusão e acessibilidade para um público que muitas vezes é esquecido, mas que para nós é importante para evangelização", esclarece Gustavo Lucena, Coordenador Geral do Crescer.
Elizabeth ainda conta que muitos dos surdos que participaram de edições anteriores do Crescer, hoje trabalham voluntariamente no encontro e mostram a sociedade que a única diferença entre eles e os ouvintes é a língua. "Infelizmente a sociedade ainda não vê a Libras como uma língua reconhecida por lei e sim apenas como gestos ou mímica".
O 21º Crescer acontece nos dias 11, 12 e 13 de fevereiro, na casa de shows Spazzio, em Campina Grande. O evento traz o tema "Sobre a família uma nova unção", com a proposta de trazer reflexões sobre os desafios que as famílias cristãs enfrentam na atualidade.
Coindecom PMCG


'BBB18': no Paredão com Mara, Ana Paula pede para ficar. 'Não sou homofóbica'


O primeiro Paredão do "BBB18" foi formado no domingo (28). Indicada pelo Líder Mahmoud, Ana Paula enfrenta Mara para continuar no programa. Jéssica recebeu 7 votos da casa, mas conseguiu escapar da berlinda depois de Paula usar o Poder do Voto e retirá-la da disputa. No confessionário, Ana Paula pediu ao público para continuar no "BBB" e lembrou o mal-estar com o Líder da semana por chamá-lo de "viado". "Estou aqui sendo eu mesma, então quero pedir que vocês percam um tempinho do dia para me deixarem ficar aqui. Esse é meu sonho. Estou muito transtornada, e quero que todos vocês saibam que eu não sou homofóbica, de jeito nenhum."

'BRUXA' NEGA HOMOFOBIA: 'NÃO TEVE NADA DISSO'

Em seguida, em conversa com Patrícia, Ana Paula se mostrou incomodada pela indicação e voltou a reclamar: "Esse cara não faz ideia, ficar me colocando como homofóbica. Não teve nada disso em momento algum".

MARA RECLAMA DE INDICAÇÃO DE MAHMOUD: 'PASSOU TOTAL DO GRAU DA ÉTICA'

Depois da briga por causa da Prova da Comida, Mara disse que não gostou da justificativa de Mahmoud para enviá-la ao Paredão. "Ele falou que eu falei mal da família Lima, passou total do grau da ética", disparou. A cientista política ainda disse que o Líder era amigo de Paula. Porém, a participante não gostou e rebateu: "Meu bem, vamos lá. Eu tenho amizade de mesma intensidade com todo mundo aqui. Não tem ninguém que é mais meu amigo. Cheguei aqui agora e estou conhecendo todo mundo".

ANA CLARA E AYRTON CONTINUAM NO PROGRAMA

Ana Clara e Ayrton foram os escolhidos do público para permanecer no programa. Os dois integrantes da Família Lima agora competem como uma só pessoa. A Youtuber, porém, não ficou satisfeita com a novidade e reclamou com os brothers: "Eu achei horrível isso da gente ser uma pessoa só". "E se eu fizer uma cagada? Meu pai leva junto? Isso não é legal para ninguém. Eu sou uma pessoa e ele é outra com pensamentos e atitudes diferentes. E se não concordarmos no voto? Eu não gostei disso. Não mesmo", garantiu.
Pure People


Mídia nacional repercute cobertura das TV e rádio Arapuan sobre caso 'Warley'


As TV e rádio Arapuan foram destaques na mídia nacional nesta terça-feira (30). O site UOL repercutiu desdobramentos do caso 'Warley', com informações exclusivas veiculadas pelo Sistema no decorrer do dia.
 Confira a reportagem:
O homem preso acusado de esfaquear o ex-jogador Warley, na última sexta-feira (26), em João Pessoa (PB), negou que tenha sido o autor da agressão à vítima e disse que Warley acabou provocando, acidentalmente, o ferimento nele mesmo. Ele ainda acusou o ex-atacante de não ter pago um programa sexual que teria feito com ele na noite do crime.
O travesti identificado como Victor Coelho da Silva foi conduzido à delegacia no período da tarde e admitiu aos policiais que estava com o celular da vítima. Após ter sido ouvido pela Polícia Civil, ele foi preso e autuado em flagrante pelos crimes de tentativa de latrocínio e agressão. Ouvido pelo delegado, Warley disse que foi vítima de roubo e alegou ter sido esfaqueado pelo suspeito (leia mais abaixo).
O acusado, que trabalha usando o codinome de Victoria, faz programas na Praia de Manaíra e diz ter sido contratado pelo ex-atacante para um 'serviço'. Victor reconhece que fez parte da briga que resultou nos ferimentos do hoje dirigente do Botafogo-PB, mas alega não ter sido o responsável pelos golpes que feriram a vítima.
Na versão de Victor, o desentendimento teve início porque Warley não quis pagar pelo programa combinado entre os dois. Ele conta que foi abordado pelo ex-jogador na Av. General Edson Ramalho, localizada a apenas um quarteirão da Praia de Manaíra. "Como foi a abordagem? 'Quanto é?'. Eu disse meu preço. 'Entra'. Entrei. Durante a noite eu sou uma pessoa totalmente diferente do que eu sou de dia", declarou Victor em entrevista à TV Arapuan, afiliada da RedeTV! na Paraíba.
Victor diz que tentou fugir depois que percebeu o canivete no carro de Warley. O atacante teria ido atrás dele e, no momento em que tentou agredi-lo, acabou provocando a lesão nele mesmo.
Na luta corporal, ele escorou no canivete que estava em minhas mãos. Eu simplesmente queria o meu programa"
"Eu tentei fugir porque eu fiquei assustada em relação à arma. Quando eu fugi ele foi atrás de mim com voadora, me derrubou no chão, e eu ceguei. Fui atrás 'pro pau' mesmo, para brigar mesmo, porque além de ele não ter pago, e eu já tinha feito uma parte do programa, eu estava com o objeto [celular] dele, que ele já tinha recuperado, e depois, na luta corporal, ele escorou no canivete que estava em minhas mãos, entre o muro e minha mão. O canivete não era meu e eu não quis furar ninguém. Eu simplesmente queria o meu programa", alegou.
"Digamos que eu peguei o objeto [celular] dele, sim. Isso eu fiz. Mas depois que ele se recusou a pagar pelo menos a metade. O programa foi feito, mas não totalmente. Eu queria só a metade para ir embora", acrescentou Victor.
Ainda segundo o travesti, ele pretendia resolver o desentendimento apenas com 'porrada', e não com uma arma branca, como acabou acontecendo.
"Eu tentei agredi-lo também, de certa forma, mas não com a arma como foi o acontecido, eu queria agredi-lo de porrada mesmo, como ele também estava me batendo. E nisso, próximo ao muro da residência – se você pegar as imagens de segurança você vai ver – foi justamente no momento em que ele foi para trás e o coiso [canivete] estava na minha mão. Inclusive não era meu, garanto. Estava no carro. Foi por isso que eu saí correndo do carro", disse.
Defesa condena prisão em flagrante
Diego Lima, advogado de Victor, não concorda com a prisão em flagrante de seu cliente e recorrerá. Segundo ele, não há motivos suficientes para a decisão tomada pela polícia: "A defesa discorda frontalmente do entendimento do delegado tendo em vista que o fato ocorreu na madrugada de sexta-feira. Praticamente quase seis dias depois, o que não se configura flagrante", disse ao UOL Esporte.
"Em nenhum momento ele fugiu da polícia. Estava na casa dele e, quando a polícia chegou, ele não se escondeu. Veio prestar depoimento, não se negou a falar, deu a sua versão... O cliente é réu primeiro, não oferece ou ofereceu risco nenhum de fugir e a gente discorda totalmente da decisão. A gente acredita que o Poder Judiciário vai rever essa decisão e restabelecer a legalidade", acrescentou.
De acordo com a defesa, Victor é mais vítima do que vilão no processo e já expôs claramente a sua versão sobre o que aconteceu, ao contrário de Warley.
"A versão do nosso cliente ficou muito clara. Warley contratou um programa. no meio dele quis encerrar e não pagar. Começou a cobrança, nosso cliente pegou o celular como garantia do pagamento do programa, entraram em luta corporal e aconteceu esse fato lamentável. O Victor é mais vítima do que vilão nesse processo. É um profissional do sexo, estava fazendo o seu trabalho e ele não foi à procura de Warley. Warley quem foi procurar" completou.
Versão de Warley é outra
Na última segunda-feira (29), o delegado Diego Garcia, da Delegacia de Roubos e Furtos, compareceu ao Hospital Nossa Senhora das Neves (HNSN) para ouvir o depoimento de Warley. A versão do jogador diz que ele teve o celular roubado no momento em que seguia de carro para casa e foi atingido depois que desceu do veículo para tentar recuperar o objeto.
"O jogador Warley disse que estava em estado de embriaguez quando decidiu ir para casa e, por alguma circunstância, parou o veículo quando uma pessoa subtraiu o seu celular. Ele desceu do carro no sentido de reaver o aparelho e, nesse instante, a pessoa voltou e o agrediu com golpes de arma branca", disse o delegado em entrevista à Rádio Arapuan, na manhã desta terça.
Ferido, Warley seguiu até a casa de um amigo para pedir socorro e em seguida foi levado a um hospital. Imagens de uma câmera de segurança mostram o momento em que o suspeito foge pelas ruas do bairro de Manaíra. Em seguida, Warley aparece caminhando, já ferido (veja vídeo no topo da matéria).
O UOL Esporte tentou entrar em contato com Warley, mas o Botafogo-PB informou que o dirigente só falará depois do inquérito policial.
Botafogo-PB se posiciona
O Botafogo Futebol Clube  comunicou nesta terça-feira que continuará prestando todo o suporte necessário para o restabelecimento da saúde do seu funcionário, o gerente de futebol Warley Santos. Ao mesmo tempo, informa que "continua aguardando o final das investigações sobre o crime ocorrido, permanecendo com total confiança no trabalho da Polícia Civil da Paraíba".
Entenda o caso
Warley foi ferido com uma arma branca na madrugada de sexta-feira (26), em João Pessoa (PB), e precisou ser encaminhado imediatamente a um hospital com ferimentos nos dois pulmões. Na manhã de sábado ele foi transferido para a UTI do Hospital Nossa Senhora das Neves (HNSN) e, no domingo, acabou indo para o quarto, onde já realiza sessões de fisioterapia.
Na última segunda-feira (29), Warley postou um vídeo agradecendo o carinho e as orações que vem recebendo. Ele não corre risco de morte e existe a possibilidade de ele receber alta ainda nesta semana.
UOL


Campeonato Paraibano: Sucesso de audiência, fracasso de vendas


O futebol paraibano vive uma nova era – a das transmissões via web.
Uma rede de canais e portais já está operando, dando visibilidade ao campeonato local e rompendo as fronteiras regionais e nacionais com grande alcance de audiência na grande rede.
Só na noite da última quarta-feira (24), por exemplo, quatro jogos se aproximaram da marca dos 90 mil acessos, de acordo com os dados do site Diário do Sertão.
O sucesso da audiência no mundo virtual comprova que o futebol paraibano, embora maltratado, tem seu valor e potencial para competir com outros centros.
No entanto, a questão que se impõe neste instante é como transformar esse sucesso de audiência em faturamento.
Até o momento o volume de negócios em publicidade é modesto, pondo em xeque – inclusive – transmissões futuras.
E este é um dilema que vem tirando o sono de quem tem apostado no Campeonato Paraibano.
Pois o futebol paraibano pode até ter seu valor, mas está longe de pagar as contas.

Blog do Maurílio Júnior
Por Max Oliveira


Copa do Brasil de 2018 estreia com novidades e premiação recorde


Começa nesta terça-feira (30) com dois jogos (Vitória da Conquista-BA x Boa-MG e Caxias-RS x Atlético-PR) a 30ª edição da Copa do Brasil. O segundo torneio de maior importância para os clubes no calendário do futebol nacional terá novidades e passa a ser agora o de maior premiação, não só no Brasil, como na América do Sul.
Os representantes paraibanos na Copa do Brasil de 2018, Botafogo-PB estreia nesta quarta-feira (31) contra o Floresta no estádio Presidente Vargas no Ceará e o Treze joga em casa, no Amigão também nesta quarta-feira contra o Figueirense.
A partir dessa edição, a grande mudança no regulamento está no gol qualificado (fora de casa), que deixará se der utilizado como critério de desempate pela primeira vez, desde 1989. Nos últimos anos, o gol qualificado só não está sendo usado nas finais. Outra novidade no regulamento do torneio de 2018 está na data limite para a inscrição de jogadores, que foi ampliada do dia 24 de abril (em 2017) para 30 de julho, antes do início das quartas de final. No ano passado, o Flamengo, finalista, não pode contar com reforços com Éverton Ribeiro e o goleiro Diego Alves na reta final da competição.
Mas a grande novidade na Copa do Brasil está na premiação, a maior em qualquer torneio de clubes na América do Sul em 2018. A partir dessa edição, a CBF irá dar ao campeão R$ 50 milhões só de prêmio pela conquista. Contando as cotas de participação nas fases anteriores, o time vencedor poderá ficar com até R$ 68,7 milhões. Quase quatro vezes o valor recebido pelo Corinthians, campeão brasileiro de 2017 — R$ 18 milhões. O vice-campeão da Copa do Brasil 2018 ganhará R$ 20 milhões. 
Nas primeiras fases, os clubes receberão suas cotas pela participação em cada fase e também de acordo com os grupos onde estão classificados pela CBF. No Grupo 1, estão os clubes classificados até a 90ª posição no ranking da CBF. No Grupo 2, os times entre a 91ª e  180ª posição. Já no Grupo 3, equipes que ficarão abaixo do 181º lugar no ranking divulgado em dezembro de 2017.
Cotas de premiação na Copa do Brasil 2018:
Campeão: R$ 50 milhões
Vice: R$ 20 milhões
Semifinal: R$ 6,5 milhões
Quartas de final: R$ 3 milhões
Oitavas de final: R$ 2,4 milhões
Quarta fase: R$ 1,8 milhão
Terceira fase: R$ 1,4 milhão
Segunda fase: R$ 1,2 milhão (G1), R$ 950 mil (G2), R$ 600 mil (G3)
Primeira fase: R$ 1 milhão (G1), R$ 880 mil (G2), R$ 500 mil (G3)
O crescimento na premiação do Copa do Brasil 2018 ao campeão quase seis maior do que o da última edição em 2017 e mais de 15 vezes o valor pago ao campeão de 2012, no início da década. Na América do Sul, a Libertadores pagou ao Grêmio, campeão de 2017, R$ 24,7 milhões.
Premiação ao campeão da Copa do Brasil nos últimos anos:
2012: R$ 4,2 milhões (6 fases)
2013: R$ 6 milhões (7 fases)
2014: R$ 6,2 milhões (7 fases)
2015: R$ 8 milhões (7 fases)
2016: R$ 10,7 milhões (7 fases)
2017: R$ 13,3 milhões (7 fases)
2018: R$ 68,7 milhões (8 fases)
Primeira fase
Além dos dois jogos desta terça-feira (30), a primeira fase da Copa do Brasil contará com mais 17 jogos na quarta-feira (31) e outros dois na quinta-feira (1/2). Na próxima semana, serão mais quatro jogos na terça-feira (6) e outros 19 jogos na quarta-feira (7), completando a Primeira Fase, onde entram dez times da série A de 2018: Atlético-MG, Atlético-PR, Botafogo, Ceará, Fluminense, Internacional, Paraná, São Paulo, Sport e Vitória. Depois, Nas oitavas de final, entram mais dez equipes da Série A (América-MG, Bahia, Chapecoense, Corinthians, Cruzeiro, Flamengo, Grêmio, Palmeiras, Santos e Vasco), além do Luverdense-MT, campeão da Copa Verde 2017.
Campeões
Em 2017, o Cruzeiro, do técnico Mano Menezes, derrotou o Flamengo e ficou com o título da Copa do Brasil pela quinta vez na história. Assim, igualou a marca do Grêmio, que em 2016 havia se isolado como o maior campeão. Desde 1989, em 29 edições, a Copa do Brasil já teve 15 diferentes campeões. Dos considerados 12 grandes do futebol nacional, apenas Botafogo e São Paulo ainda não conquistaram o torneio — mas foram finalistas.
Clubes com mais títulos da Copa do Brasil:
5 - Cruzeiro e Grêmio
3 - Corinthians, Flamengo e Palmeiras
1 - Atlético-MG, Criciúma, Fluminense, Internacional, Juventude, Paulista, Santo André, Santos, Sport e Vasco
Todos os campeões e vices da Copa do Brasil:
1989 - Grêmio (campeão), Sport (vice)
1990 - Flamengo (campeão), Goiás (vice)
1991 - Criciúma (campeão), Grêmio (vice)
1992 - Internacional (campeão), Fluminense (vice)
1993 - Cruzeiro (campeão), Grêmio (vice)
1994 - Grêmio (campeão), Ceará (vice)
1995 - Corinthians (campeão), Grêmio (vice)
1996 - Cruzeiro (campeão), Palmeiras (vice)
1997 - Grêmio (campeão), Flamengo (vice)
1998 - Palmeiras (campeão), Cruzeiro (vice)
1999 - Juventude (campeão), Botafogo (vice)
2000 - Cruzeiro (campeão), São Paulo (vice)
2001 - Grêmio (campeão), Corinthians (vice)
2002 - Corinthians (campeão), Brasiliense-DF (vice)
2003 - Cruzeiro (campeão), Flamengo (vice)
2004 - Santo André (campeão), Flamengo (vice)
2005 - Paulista (campeão), Fluminense (vice)
2006 - Flamengo (campeão), Vasco (vice)
2007 - Fluminense (campeão), Figueirense (vice)
2008 - Sport (campeão), Corinthians (vice)
2009 - Corinthians (campeão), Internacional (vice)
2010 - Santos (campeão), Vitória (vice)
2011 - Vasco (campeão), Coritiba (vice)
2012 - Palmeiras (campeão), Coritiba (vice)
2013 - Flamengo (campeão), Atlético-PR (vice)
2014 - Atlético-MG (campeão), Cruzeiro (vice)
2015 - Palmeiras (campeão), Santos (vice)
2016 - Grêmio (campeão), Atlético-MG (vice)
2017 - Cruzeiro (campeão), Flamengo (vice)
Lance!


← ANTERIOR PROXIMA → INICIO

Editorial