terça-feira, 19 de dezembro de 2017

Pentágono admite que gastou milhões para investigar óvnis

O Pentágono admitiu, pela primeira vez, que fez um financiamento milionário de um programa secreto para investigar a aparição de "objetos voadores não identificados" (óvnis) entre os anos de 2007 e 2012.
Militares norte-americanos investigaram incidentes com óvnis. [foto de arquivo]
Militares norte-americanos investigaram incidentes com óvnis. [foto de arquivo]
Foto: EPA / Ansa - Brasil
Apesar do Departamento de Estado informar que o projeto foi encerrado, o jornal The New York Times confirmou com uma funcionária da entidade que o programa ainda está sendo realizado e que ele foca em relatos de militares norte-americanos que avistaram objetos estranhos.
Batizado de "Programa de Identificação Avançada de Ameaças de Aviação", o grupo de especialistas também analisou centenas de vídeos gravados durante voos - incluindo a gravação de 2004, quando um objeto oval branco é seguido por dois jatos da Marinha na Califórnia.
"O Programa de Identificação Avançada de Ameaças de Aviação foi concluído em 2012. Determinou-se que havia outra questões mais prioritárias que mereciam financiamento e foi com a melhor das intenções que o Departamento fez essa mudança. O Departamento leva muito a sério todas as ameaças e ameças em potencial ao nosso povo ", diz o porta-voz da entidade, Thomas Crosson.
Há décadas, os objetos são alvos de ações nos Estados Unidos, também por parte do Exército. Em 1947, a Aeronáutica começou uma série de análises para verificar mais de 12 mil incidentes relatados por militares. Essas investigações foram encerradas em 1969 e o projeto ficou mundialmente conhecido como "Project Blue Book".
Recentemente, a China anunciou que finalizou as obras de seu radiotelescópio para a detecção de vida fora da Terra.
Diferentemente dos norte-americanos, que mantiveram seus programas sobre óvnis em segredo, o governo de Pequim construiu o maior equipamento do tipo no mundo, com mais de 500 metros de diâmetro.
Terra 



← ANTERIOR PROXIMA → INICIO

0 Comments:

Postar um comentário

Editorial