terça-feira, 7 de novembro de 2017

Rússia discute o que fazer com o corpo embalsamado de Lênin

Dois políticos muito diferentes iniciaram a discussão sobre o destino a ser dado ao corpo de Vladimir Lênin (1870-1924): a conhecida apresentadora de TV Ksenia Sobchak, que há pouco anunciou sua candidatura às eleições presidenciais russas, em março de 2018, e o governante da Chechênia, Ramsan Kadyrov.
Segundo Kadyrov, é errado haver, "no coração da Rússia, na Praça Vermelha, um caixão com um homem morto". Já Sobchak, filha do popular ex-prefeito de São Petersburgo Anatoli Sobchak, diz que, se for eleita, deverá fazer de tudo para que Lênin seja enterrado.
O porta-voz do governo, Dmitri Peskov, afirmou que precisamente essa discussão não está na ordem do dia na Rússia. Valentina Matviyenko, ex-governadora de São Petersburgo e porta-voz do Conselho de Segurança da Federação Russa – grêmio que reúne os políticos mais importantes do país e que serve de órgão de consulta ao presidente – é da mesma opinião.
Matviyenko, que tenta adiar a discussão, espera um meio "livre de conflitos" para responder à questão sobre o enterro de Lênin. Ela afirma que ainda há muitas pessoas que dão grande importância ao revolucionário vitorioso na Revolução de Outubro, que derrubou o regime czarista de Nicolau 2º. Segundo Matviyenko, essas pessoas teriam o direito de exigir respeito pelas suas convicções – e a Rússia não precisaria de mais conflitos.
A política nascida na Ucrânia é uma das aliadas mais fiéis do presidente russo, Vladimir Putin. Ela acredita que, um dia, haverá um referendo sobre se Lênin deve ou não ser enterrado.
"Mas isso não vai acontecer nem hoje, nem amanhã", afirmou, em conversa com a revista Argumenty i Fakty.
Dois políticos muito diferentes iniciaram a discussão sobre o destino a ser dado ao corpo de Vladimir Lênin (1870-1924): a conhecida apresentadora de TV Ksenia Sobchak, que há pouco anunciou sua candidatura às eleições presidenciais russas, em março de 2018, e o governante da Chechênia, Ramsan Kadyrov.
Segundo Kadyrov, é errado haver, "no coração da Rússia, na Praça Vermelha, um caixão com um homem morto". Já Sobchak, filha do popular ex-prefeito de São Petersburgo Anatoli Sobchak, diz que, se for eleita, deverá fazer de tudo para que Lênin seja enterrado.
O porta-voz do governo, Dmitri Peskov, afirmou que precisamente essa discussão não está na ordem do dia na Rússia. Valentina Matviyenko, ex-governadora de São Petersburgo e porta-voz do Conselho de Segurança da Federação Russa – grêmio que reúne os políticos mais importantes do país e que serve de órgão de consulta ao presidente – é da mesma opinião.
Matviyenko, que tenta adiar a discussão, espera um meio "livre de conflitos" para responder à questão sobre o enterro de Lênin. Ela afirma que ainda há muitas pessoas que dão grande importância ao revolucionário vitorioso na Revolução de Outubro, que derrubou o regime czarista de Nicolau 2º. Segundo Matviyenko, essas pessoas teriam o direito de exigir respeito pelas suas convicções – e a Rússia não precisaria de mais conflitos.
A política nascida na Ucrânia é uma das aliadas mais fiéis do presidente russo, Vladimir Putin. Ela acredita que, um dia, haverá um referendo sobre se Lênin deve ou não ser enterrado.
"Mas isso não vai acontecer nem hoje, nem amanhã", afirmou, em conversa com a revista Argumenty i Fakty. 

Putin desinteressado

O líder comunista russo Guennadi Ziuganov ficou irritado com a discussão sobre o corpo embalsamado de Lênin. A exigência de enterrá-lo seria ultrajante, segundo ele, que lembrou outros países que também mantêm seus mortos proeminentes em mausoléus.
Nesta terça-feira (07), o chefe do Partido Comunista deverá liderar uma parada de comunistas e admiradores de Lênin para marcar o aniversário de cem anos da "Grande Revolução Socialista de Outubro", a Revolução Russa.
Não deverá haver eventos oficiais ou comemorações com a presença de Putin na capital russa. O presidente, segundo disse Ziuganov, de 74 anos, teria lhe prometido que Lênin não será retirado da Praça Vermelha – ao menos enquanto Putin estiver na chefia do Kremlin.
Já o próprio presidente russo não demonstra grande interesse na questão do que fazer com Lênin. Em entrevista à DW, seu secretário de Direitos Humanos, Mikhail Fedotov, comparou o fundador embalsamado da União Soviética às múmias do British Museum de Londres, que também abrigaria os restos mortais de faraós e outros ex-líderes sem que se coloquem flores diante de seus mausoléus. Em outras palavras, Putin não deveria se preocupar com a questão do enterro de Lênin.

O culto de pessoas

A decisão de embalsamar Lênin foi tomada por seu sucessor, Josef Stálin. A partir de 1924, o corpo do líder revolucionário, que ordenou assassinatos em massa, foi conservado num túmulo provisório de madeira. Anos depois, construiu-se um mausoléu de concreto e granito. Desde então, dezenas de cientistas fazem retoques no corpo – ou no que restou dele.
Em vida, Lênin se manifestou contra qualquer culto à pessoa. Tanto seu companheiro mais próximo durante a chamada Revolução de Outubro, Leon Trótski, quanto sua viúva, Nadezhda Krupskaya, se manifestaram contra a exibição do morto.
Após o fim da União Soviética, houve várias tentativas de acabar com o culto aos mortos durante a gestão do ex-presidente Boris Ieltsin. A Igreja ortodoxa russa também é a favor do enterro de Lênin. 
G1 

Nenhum comentário:
Write comentários

Disqus Shortname

Hey, we've just launched a new custom color Blogger template. You'll like it - https://t.co/quGl87I2PZ
Join Our Newsletter