sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Bolsonaro segue líder em cenários sem Lula, mas tem leve queda

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) se mantém estável ou oscila negativamente dentro da margem de erro. O ex-capitão tem de 18% a 25% das intenções de voto, mostra a pesquisa DataPoder360 de novembro.
O mais importante nesse tipo de acompanhamento realizado mês a mês é observar a trajetória da curva. No caso de Bolsonaro, especialmente nos cenários sem a presença de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o deputado registra uma oscilação levemente negativa, dentro da margem de erro do levantamento (2,9 pontos percentuais), mas sempre para baixo. Nas simulações com a participação do petista, o desempenho do pré-candidato do PSC é mais estável.
Em relação ao mês passado, o ex-presidente Lula também oscila negativamente, mas a curva dos últimos meses estabiliza-se em torno do mesmo patamar, na faixa de 25% a 30%, percentual histórico do PT em disputas nacionais.
O levantamento do DataPoder360 de novembro revela que, se as eleições fossem hoje, Lula teria 26% da preferência dos eleitores nos 2 cenários em que tem o nome testado. Em agosto, o petista registrava de 23% a 26%.
A pesquisa foi realizada de 16 a 18 de novembro de 2017. Foram entrevistadas 2.171 pessoas, por telefone, em 143 cidades. A margem de erro é de 2,9 pontos percentuais, para mais ou para menos.

LULA: LÍDER NO NORDESTE 

No cenário mais plausível, neste momento, para a sucessão presidencial, a liderança de Lula fica muito clara no Nordeste, onde o petista obtém o seu maior percentual.
Segundo o DataPoder360, o petista chega a 39% de intenção de voto entre eleitores nordestinos. No Sul, Lula despenca para apenas 7%. O Sudeste, que é vital para quem deseja se eleger presidente, dá a Lula 24%, uma taxa respeitável e apenas 2 pontos abaixo da média nacional do petista, que é de 26%.
O DataPoder360 revela duas curiosidades sobre o possível candidato do PT. A primeira é que ele tem uma intenção de voto mais robusta entre pessoas mais velhas. Por exemplo, 35% entre os eleitores da faixa de 25 a 44 anos e 29% do grupo que tem entre 45 e 59 anos.
Trata-se de uma novidade em relação aos primórdios das trajetórias de Lula e do PT, quando a maioria dos votos tinha como origem eleitores mais jovens. Uma leitura possível: o eleitorado do PT envelheceu e o partido deixou de atrair novas gerações como fazia no passado.
A outra curiosidade é que o petista tem mais votos entre mulheres (29%) do que entre homens (22%). Na 1ª eleição vitoriosa do petista ao Planalto, em 2002, houve dificuldade para atrair o voto feminino.
O então marqueteiro do PT Duda Mendonça, em 2002, apelou no fim da campanha para imagens com mulheres em uma propaganda que ficou famosa, com um batalhão de grávidas caminhando em campo aberto ao som do Bolero de Ravel.

JOÃO DORIA

Há 1 aspecto curioso nos cenários em que o pré-candidato do PSDB é João Doria. O tucano pontua de 3% a 9%, um intervalo de 6 pontos percentuais. Uma interpretação para essa grande diferença pode ser feita em função da presença de Lula como candidato.
A maior pontuação de Doria (9%) é obtida no cenário que tem Lula como postulante do PT. O tucano se apresenta como antípoda do ex-presidente. Mas as coisas mudam muito quando o petista não é candidato.
Nessa simulação sem Lula, Doria despenca para 3%, uma queda de 9 pontos percentuais desde agosto, quando tinha 12% das intenções de voto no mesmo cenário.

TRANSFERÊNCIA DE VOTO

Se a eleição fosse hoje, Lula e o PT teriam muita dificuldade em transferir votos para algum candidato na corrida presidencial. Segundo o DataPoder360, apenas 16% responderam afirmativamente a respeito de votar em 1 candidato indicado pelo ex-presidente.
A outra má notícia para o PT é que há 51% dos eleitores que dizem que não votariam em 1 candidato apoiado pelo petista.

PT E PSDB: POTENCIAL DE VOTO

A taxa de rejeição a candidatos apoiados por Lula é consistente com o número de eleitores que não votariam de jeito nenhum em candidatos do PT.
Quando se observam as variações sobre quem votaria com certeza, poderia votar e não votaria de jeito nenhum em 1 candidato petista, há apenas 1 indicador que chama a atenção nos últimos 3 meses.
Trata-se do universo daqueles eleitores que votariam com certeza no partido. Em setembro, eram 22% os votos garantidos ao partido, contra 12% agora em novembro. O período coincide com o início de indicadores minimamente positivos na economia brasileira, inclusive recuperação dos níveis de emprego.
A taxa dos que não votam na sigla manteve-se no mesmo patamar, com oscilações dentro da margem de erro: 56% em setembro, 51% em outubro e 52% em novembro.
No caso dos tucanos, as oscilações são todas dentro da margem de erro do levantamento do DataPoder360, mas há uma leve curva positiva nos últimos 3 meses. A rejeição ao partido recuou de 55% em setembro para 48% hoje. E já há 7% dos eleitores que afirmam votar “com certeza” em algum candidato do PSDB. E sempre é necessário lembrar: a margem de erro é de 2,9 pontos percentuais.
‘Não voto’
Há um fenômeno que foi captado por todas as pesquisas do DataPoder360 desde abril: o alto número de indecisos ou que votam em branco e nulo para presidente. Esse ‘não voto’ aumenta de maneira significativa quando Lula não está entre os candidatos.
Nos 2 cenários em que Lula está na disputa, a taxa de brancos, nulos e indecisos vai de 29% a 32%. São taxas altas, mas quando o petista está fora, esses percentuais aumentam ainda mais: são de 42% e 43%.
Data Poder 

Nenhum comentário:
Write comentários

Disqus Shortname

Hey, we've just launched a new custom color Blogger template. You'll like it - https://t.co/quGl87I2PZ
Join Our Newsletter