segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Grupo de extermínio de Queimados recebe solicitação de ‘serviços’ pela internet

O grupo de extermínio se autointitula Caçadores de Gansos — como são chamados os bandidos no meio policial. Numa página no Facebook, seus integrantes recebem, de moradores de Queimados, na Baixada Fluminense, fotos e informações de criminosos que atuam em determinada localidade no município. Traficantes de drogas, usuários e assaltantes apontados pela população são executados pelo bando. Em resposta, numa espécie de prestação de contas, fotos das vítimas são postadas na página. Desde o ano passado, o grupo vem sendo investigado pela Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF).
O delegado titular da especializada, Giniton Lages, atribui a explosão no número de homicídios em Queimados ao recrudescimento da atuação dos “caçadores” no município, que acompanha, principalmente, o aumento da atuação do tráfico de drogas na região. Em seis anos, o número de assassinatos quase quadruplicou na cidade: em 2010, foram registrados 41 casos, contra 159 no ano passado.
— Há muita preocupação com o aumento da criminalidade em Queimados. A análise que fazemos é que o crescimento do número de homicídios coincide com um aumento dos confrontos entre o tráfico e esse grupo de extermínio em várias localidades, em especial nos condomínios do “Minha casa, minha vida” no município — disse Lages.

O símbolo do grupo de extermínio
O símbolo do grupo de extermínio

As investigações da DHBF apontam que o principal objetivo dos Caçadores de Gansos é fazer uma “limpeza social”. Apesar de algumas taxas serem cobradas dos moradores, o objetivo principal do grupo não é lucrar, mas sim, ao cometer os crimes, “fazer justiça” com as próprias mãos. Policiais civis e militares, além de moradores do município, são suspeitos de fazerem parte do bando.
Grupo mudou nome de página na internet
A página dos Caçadores de Gansos no Facebook reúne mais de 3,8 mil participantes. No início deste ano, o perfil mudou de nome, após seus integrantes terem ameaçado desativá-lo, uma vez que estavam sofrendo muitas represálias. A página tinha o nome do grupo e mudou para Caçadores de Queimados. “Os trabalhos estão diminuindo, talvez iremos parar”, escreveu um dos participantes.

Integrantes do grupo postaram despedida
Integrantes do grupo postaram despedida Foto: Reprodução

No início do mês passado, em operação no Condomínio do Minha casa, minha vida no Parque São Jorge, policiais da DHBF prenderam um dos suspeitos de ser o administrador da página. Outros dois integrantes do grupo foram presos. Também foram encontrados coletes balísticos com brasão da PM, fardas da corporação, máscaras e munição de fuzil e pistola. Segundo a polícia, todo o material era usado pelo grupo para praticar as execuções.

Parte do material apreendido pela Polícia Civil em operação no mês passado
Parte do material apreendido pela Polícia Civil em operação no mês passado Foto: Divulgação

Durante outra operação contra os caçadores, feita no início deste ano, no mesmo condomínio, os agentes da especializada encontraram bilhetes de moradores pedindo que determinada pessoa fosse morta pelo grupo.
De acordo com as investigações da Polícia Civil, atualmente o bando domina os três condomínios do Minha casa, minha vida em Queimados. As investigações da DHBF apontam ainda que o grupo de extermínio atua há cerca de três anos no município.



Extra 

Nenhum comentário:
Write comentários

Disqus Shortname

Hey, we've just launched a new custom color Blogger template. You'll like it - https://t.co/quGl87I2PZ
Join Our Newsletter