O secretário de Infraestrutura, Recursos Hídricos e Ciência e Tecnologia do Estado, João Azevêdo, comemorou nas redes sociais neste domingo (3) o aumento do volume do Açude Boqueirão, na região de Campina Grande, mesmo com o término do racionamento da Rainha da Borborema e mais 18 cidades do Estado.
João revela ainda na postagem que no último mês de agosto o Boqueirão recebeu mais de 2,7 milhões de metros cúbicos de água. “Absolutamente dentro da previsão até agora. Viva o trabalho com planejamento”, resumiu.
João usa as redes sociais para comemorar acúmulo d'água no açude de Boqueirão

Críticas

Em entrevista nos últimos dias, João afirmou que as críticas feitas por Cássio, em torno do fim do racionamento em Campina Grande, se dá pelo fato dele não ter sido o responsável pelas obras e ações que resultaram na resolução do problema vivido pela população.
“Houve um esforço para que as águas chegassem em março, muita gente dizia que não chegaria. Houve esforço para que a águas chegasse a Boqueirão, muita gente dizia que não chegaria. Saímos do volume morto da barragem de Boqueirão e agora precisamos tirar a população do sofrimento que ela vivi com o racionamento. Algumas pessoas, pelo fato de não terem sido elas quem apresentaram e tiveram a oportunidade de realizar as obras e as ações, para que isso ocorresse, estão evidentemente criando dificuldade”, afirmou.
O secretário ainda ressaltou que as águas que hoje abastecem Campina Grande são as mesmas que tiraram o Cariri do racionamento e não houve nenhuma crítica ou polêmica em torno da ação. De acordo com João os entraves acontecidos em Campina Grande foram meramente políticos.
“As águas que hoje estão atendendo a população de Campina Grande, são as mesmas que estão atendendo a todo Cariri. Isso é o que não é compreensível, quando nós tiramos toda aquela população do racionamento, não houve absolutamente nenhuma citação de que teria sido precipitado. Quando nós chegamos em Campina Grande começou a se politizar uma ação que era meramente administrativa”, criticou.