sábado, 16 de setembro de 2017

Detergente ou sabão, qual o melhor produto para lavar a louça?

Detergente ou sabão: qual é o melhor para lavar a louça? Quanto mais espuma, mais fácil remover a gordura? E a água quente, como ela ajuda no processo? Essas são algumas das perguntas respondidas pela química, uma excelente aliada de quem encara uma pia cheia de panelas, pratos, copos e talhares sujos e engordurados.
A diferença entre o detergente e o sabão, como explica Watson Loh, professor do Instituto de Química da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), se resume basicamente à estrutura molecular. Enquanto o sabão é composto por sebos vegetais, o detergente se constitui a partir de derivados petroquímicos. "Ainda assim o funcionamento dele é praticamente o mesmo: remover a gordura."
Os dois são usados para retirar desengordurar a louça porque fazem o meio de campo entre as moléculas de água, polares, e de gordura, apolares e hidrofóbicas (substância que não absorve a à água). 
"Os detergentes têm uma porção de moléculas polar e outra apolar. Com essa estrutura ela consegue fazer a ligação da água com a gordura", explica Adauto Lorenzini, professor de química do cursinho da Poli.
"Imagine que o alfinete é o detergente (a cabeça a parte polar e a ponta a apolar) e o agulheiro o óleo. Ao perfurar todo o espaço do agulheiro, cria-se o que chamamos de micela, ou seja, a possibilidade de interação com a água, que nesse caso é responsável por dissolver a sujeira da louça", exemplifica.

Detergente ou sabão?

Se pensarmos no ambiente, o sabão de barra deve ser considerada a melhor opção. De acordo com o professor do cursinho da Poli, o sabão é biodegradável. "Em contrapartida, nem todos os detergentes são benéficos ao ecossistema. Alguns deles possuem fosfato." A substância na água de rios e lagos aumenta a população de algas, reduzindo o oxigênio e provocando a morte de peixes. 
O sabão, no entanto, tem uma desvantagem em relação ao detergente. Não consegue atuar na presença de cálcio, magnésio e ferro.
"Quando tenho que lavar minha mão cheia de giz, por exemplo, tenho que recorrer ao detergente. Se for usar o sabão vai virar uma pasta de sujeira", alerta o químico, que diz que casos assim são raros, mas devem ser levados em consideração.

Espuma não significa limpeza

Cuidado com os exageros! O excesso no uso do sabão ou do detergente não significa que seus copos e pratos ficarão mais limpos. "O importante é certificar-se de que esfregar o produto em toda a área da louça engordurada. Uma fina camada já é suficiente", afirma Loh, que diz que é preciso bom senso.
Só para se ter uma ideia, o recomendado é 25g de detergente para uma lava-louça capaz de limpar um conjunto de louças para seis ou oito pessoas (serviços) ou 40g de sabão para máquinas de até 12 serviços.
"O abuso na quantidade de produto torna o enxágue mais trabalhoso. Ou, na pior das hipóteses, vai fazer com que beba água com sabão ou coma em pratos com resquícios de detergente", aponta o professor da Unicamp.

Segredo está na agitação e na temperatura da água 
iStock

Segundo ele, a eficiência na lavagem está mais relacionada à agitação e à temperatura da água. Agitação comum na lava-louça, é substituído no processo manual pelo uso das esponjas. E o grande aliado do esfrega-esfrega é a água quente.
"Esse processo amolece a gordura, o que facilita e muito a sua remoção. Basta comparar um espeto de carne quente a um frio. A carne quente é muito mais mole do que a fria."
Uma alternativa à água quente é deixar o recipiente de molho na água fria mesmo, que também vai levar mais tempo, mas também amolece a sujeira.
Outra dica que pode ser bastante útil na hora de ir para a pia, é começar a lavar as louças menos engorduradas --os copos, seguidos pelos talheres e pelos pratos. As panelas --que geralmente possuem uma quantidade maior de gordura-- devem ser as últimas. Essa ordem vai evitar que você engordure as peças menos engorduradas com a esponja.    

Quanto tempo devo usar a mesma esponja? 
iStock

Falando em esponja, como devo desengordurá-la? O uso do detergente ou do sabão é o mais recomendado. Há especialistas que recomendam fervê-la ou mesmo colocá-la no micro-ondas. Um estudo recente, no entanto, disse que a higienização desse item tão comum às cozinhas pode multiplicar aqueles micróbios próximos das bactérias que causam pneumonia e meningite, tais como o Moraxella osloensis.
Portanto, o ideal mesmo é trocar a sua esponja com frequência: a cada semana ou no máximo a cada 15 dias.
UOL 

Nenhum comentário:
Write comentários

Disqus Shortname

Hey, we've just launched a new custom color Blogger template. You'll like it - https://t.co/quGl87I2PZ
Join Our Newsletter